Thelma rebate sucessor e diz que Covid impactou finanças

13 de janeiro de 2021 15:20
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Foto: Victor Ostetti/MidiaNews

Ex-prefeita disse ainda que dinheiro vindo de emendas não poderia ser usado na folha de pagamento

A ex-prefeita de Chapada dos Guimarães, Thelma de Oliveira (PSDB), rebateu nesta quarta-feira (13) as acusações de seu sucessor Osmar Froner (MDB), que disse ter encontrado o caixa vazio quando assumiu. Além disso, ele registrou um boletim de ocorrência contra a tucana pela programação de TEDs (transferências eletrônicas disponíveis) para o dia 4 de janeiro, portanto já em sua gestão.

Segundo Thelma, as dívidas da Prefeitura cresceram em 2021 em razão da pandemia da Covid-19.

“Houve um significativo aumento nas despesas na área de saúde municipal, com o reforço de efetivo de profissionais, substituições de servidores do grupo de risco, aumento da cobertura da atenção básica com a contratação de médicos especialistas, aquisição de medicamentos, insumos, equipamentos de proteção e realizações de exames, fato que, evidentemente, contribuiu com o aumento da dívida do município”, informou a ex-prefeita em nota.

Ainda conforme a tucana, para reduzir o endividamento, ela diz que procurou a ajuda de parlamentares federais e estaduais, com os quais conseguiu emendas para a área de saúde, totalizando R$ 1,1 milhão.

“As emendas (…) ingressaram nos cofres da Prefeitura nos últimos dias de mandato para o pagamento de fornecedores da Secretaria Municipal de Saúde”, disse.

“Ocorre que, por conta do horário reduzido para transações bancárias no dia 31/12/2020, esses pagamentos só foram processados no próximo dia útil, ou seja, em 04/01/2021, não havendo qualquer irregularidade nos pagamentos efetivados”.

Thelma disse ainda que as emendas recebidas nos últimos dias de mandato não poderiam ser utilizadas para a folha de pagamento de servidores. “Foram concedidas e pagas, única e exclusivamente, para saldar débitos da nossa gestão”.

 

Boletim de ocorrência

Em uma live realizada com o MidiaNews nesta terça-feira (12), Froner criticou a situação encontrada na Prefeitura.

“Existe uma conta da Saúde que no dia 31 de dezembro tinha zero de fundo e no dia 4 foram feitas várias transferências da União. Conseguimos chegar a R$ 707 mil. E esses TEDs programados foram caindo em conta e consumiram R$ 441 mil. Quase meio milhão de reais”, relatou.

“Como que um ex-gestor programa dívidas para o outro gestor com o dinheiro que eu tenho a responsabilidade de prestar contas para a sociedade e para o Tribunal de Contas?”, questionou Froner, que foi vice de Thelma e rompeu com ela durante o mandato.

De acordo com o prefeito, mesmo buscando suspender as transferências no banco, não foi possível bloquear ou estornar os valores. Ao final, Froner diz ter começado pouco mais de R$ 200 mil em conta, graças a um TED de R$ 444 mil que estornou por falta de saldo.