Senador critica “adormecimento do DEM” e descarta lançar esposa em MT

21 de julho de 2021 16:19
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

FolhaMax

Jayme Campos garante que Lucimar já cumpriu missão eleitoral em VG

logomarca

O senador Jayme Campos (DEM) descartou uma eventual candidatura da esposa, a ex-prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre Campos (DEM), nas eleições de 2022. A declaração foi dada na manhã desta quarta-feira (21), durante entrevista à Rádio Capital.

O parlamentar afirma que a companheira não tem nenhuma pretensão de disputar algum cargo e que ela cumpriu a missão que lhe foi dada. Além disso, a ex-prefeita encerrou o mandato em 2020 com um alto índice de aprovação.

Nos bastidores, Lucimar é cotada para ser candidato a vice numa chapa com o governador Mauro Mendes (DEM) ou Senado da República. “Lucimar já cumpriu a missão dela de forma exitosa. Fez um trabalho exemplar e resgatou a autoestima da população várzeagrandense. Deixou a Prefeitura em uma situação financeira saudável. Lucimar fez um número de obras gigantesco; pagou todos seus compromissos e deixou a prefeitura com quase R$ 200 milhões na conta”, disse o senador.

Apesar da afirmação, o senador adianta que pode esperar mudanças abruptas no quadro eleitoral do Estado. “Lucimar é uma grande política, grande gestora pública, ainda por cima minha mulher, mas não tem pretensão nesse exato momento. Vamos aguardar porque o futuro a Deus pertence. Por enquanto, estamos na retranca esperando os acontecimentos do futuro”, acrescentou.

DEMOCRATAS

Ao ser questionado sobre quando será realizada a próxima reunião do partido para discutir sobre as eleições, o senador respondeu que a pergunta deveria ser feita ao presidente do diretório regional da sigla, Fábio Garcia (DEM) e elogia o MDB pela reunião realizada em Chapada dos Guimarães. “Essa pergunta tem que ser colocada para o doutor Fábio Garcia. Está de parabéns o MDB. Acho que chegou o momento de fazer essas movimentações políticas até pelos prazos regimentais que temos que até setembro ter as filiações partidárias. Mas, o Democratas está um pouco adormecido. Não sei qual é a estratégia. Mas, eu acho que deveria ser feita alguma movimentação na medida em que podemos até ter dificuldade no lançamento de candidatura de deputados estaduais e federais”, destacou Jayme.

O senador ainda pontuou que não fará nenhuma intervenção porque cabe ao presidente do partido planejar as articulações. “Mas imagino que o Fabinho deva ter alguma estratégia. Ele é muito competente e sabe o que está fazendo. Eu não posso fazer nenhuma intervenção porque acho que compete ao presidente fazer um planejamento e uma pauta para discussão não só internamente, mas, sobretudo levar a público o que o partido deseja”, concluiu.