Os impactos mundiais do conflito entre China e Estados Unidos

19 de novembro de 2020 11:41
Publicado por:
Categorias: Artigos

Dr Daniel Toledo

Confesso que, já tem um bom tempo, que não acredito em democracia. E não vejo sentido nesse sistema fora do âmbito imaginário ou filosófico, em que muitas vezes tenta controlar as grandes massas com a ilusão de um falso poder.

Pessoalmente, creio que a democracia tem mais fundamento filosófico do que prático, seja no Brasil ou em qualquer lugar do mundo. Supostamente, o poder é transferido do povo para uma pessoa e, se necessário, o poder também é devolvido ao povo, mas na prática, não é isso que ocorre.

Vamos pegar como exemplo os Estados Unidos, e as políticas que estão sendo adotadas em relação à China. É importante citar que no processo de eleição, as decisões com relação ao comércio exterior podem ser barradas e outras situações sejam impostas, mas no momento, existe um certo movimento para evitar que o país seja a grande potência que pode dominar o mundo. Atualmente, muitas pessoas estão preocupadas em relação ao país devido a pandemia do coronavírus, mas penso que a pirotecnia em torno desse problema é maior do que ele realmente representa.

Atualmente, a China é um dos países com o maior número de habitantes no mundo e eles sofrem com o problema de excesso populacional, que promove uma série de desafios internos, como a falta de insumos para a sobrevivência. No entanto, o comunismo dá para a população, que é base da pirâmide, o mínimo do suporte necessário com o intuito de manter esse regime, seja por meio do medo, respeito ou fome e dessa forma existe a transferência de poder do povo.

Quem conhece o país sabe que as áreas metropolitanas são realmente muito abastadas e belíssimas, mas bastam alguns quilômetros para fora dessas regiões e é possível ver a miséria. Algo interessante de pontuar sobre a situação é que os chineses não comem morcegos por serem uma iguaria, um alimento rico em proteína ou gordura, mas sim porque não há o que comer. Embora seja algo cultural, o motivo sempre foi o mesmo: a necessidade.

Por conta desse problema, a China vem enfrentando uma crise com a falta de alimentos frente a uma enorme população e, como “solução”, estão enviando frotas de navios para realizar pesca em áreas internacionais. Algo parecido com o que eles já fazem com a construção de uma ilha utilizada para fins militares, embora tenham afirmado que fosse para uso civil. Nesse local eventualmente há ameaças a países próximos e até mesmo testes com lança-foguetes, com o objetivo de reagrupar outras ilhas, e aumentar o espaço territorial do país. Como resultado, outros lugares perdem a possibilidade de pesca na região e acabam sofrendo com a falta desse insumo.

Um dos primeiros países a contrariar esse sistema de pesca predatória foi o Japão, que já colocou em posição suas frotas para a defesa da costa. No entanto, os navios chineses passam a se aproximar da América Central e inclusive da Ilha de Galápagos, um dos maiores patrimônios naturais do mundo, com grande variedade de vida marinha e também de animais terrestres.

Todos esses fatores geram algumas teorias que, querendo ou não, tem fundamento. Uma delas é que o coronavírus teria sido criado em laboratório com o objetivo simples de realizar o controle populacional, mas acabou vazando e impactando outros países, e por esse motivo não existiu divulgação aberta sobre os números reais da doença no país. Algo interessante é que no primeiro trimestre de 2020, com o mundo em estado caótico e procurando métodos para evitar o contágio e as mortes, a China já estava preparada com a manufatura de respiradores, máscaras e outros equipamentos de proteção.

Por isso, é interessante pensar em qual vai ser o cenário mais interessante no resultado das eleições americanas. Um governo democrata que pode permitir que o problema se torne mais grave ou o republicano que impõe um limite firme para a situação? Muitas pessoas acreditam que o único país que pode impedir o crescimento da China são os Estados Unidos e, se a questão for armamentista, realmente pode ser que sim. Mas os países que fazem exportação de alimentos também podem causar um grande dano aos chineses, como é o caso do Brasil.

 

Daniel Toledo é advogado especializado em direito Internacional, consultor de negócios internacionais, palestrante e fundador do escritório Toledo e Advogados Associados.