Milho abre a 4ªfeira com alta em Chicago após plano de estímulo econômico

25 de março de 2020 10:32
Publicado por:
Categorias: Agronegócio, Notícias

Foto: Reprodução

A quarta-feira (25) começa com leves altas para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam ganhos entre 1,25 e 2,25 pontos por volta das 08h50 (horário de Brasília).

O vencimento maio/20 era cotado à US$ 3,49 com valorização de 2,25 pontos, o julho/20 valia US$ 3,53 com alta de 1,25 pontos, o setembro/20 era negociado por US$ 3,57 com elevação de 1,25 pontos e o dezembro/20 tinha valor de US$ 3,66 com ganho de 1 ponto.

Segundo informações do site internacional Successful Farming, os grãos estão ligeiramente mais altos na negociação noturna depois que um plano de estímulo econômico de US$ 2 trilhões foi elaborado pelo Senado americano.

A Casa Branca e o Senado chegaram a um acordo com o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, e o líder das minorias, Chuck Schumer, anunciando o acordo por volta das 13 horas em Washington.

“Os detalhes do acordo ainda não foram divulgados, mas os relatórios indicam que US$ 500 bilhões serão destinados a ajudar empresas com dificuldades, US$ 350 bilhões serão gastos em empréstimos a pequenas empresas, US$ 250 bilhões serão utilizados para pagamentos diretos aos americanos e US$ 250 bilhões serão destinados a seguro desemprego”, aponta o analista Tony Dreibus.

Relembre como fechou o mercado na última terça-feira:

Milho: preços baixos atraem compras e cotações fecham a 3ªfeira com altas em Chicago

Futuros internacionais subiram cerca de 1%

A terça-feira (24) chegou ao final com os preços internacionais do milho futuro valorizados na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram altas entre 1,00 e 3,75 pontos após operar em baixa na maior parte do dia.

O vencimento maio/20 foi cotado à US$ 3,47 com valorização de 3,75 pontos, o julho/20 valeu US$ 3,52 com ganho de 2,50 pontos, o setembro/20 foi negociado por US$ 3,56 com elevação de 1,25 pontos e o dezembro/20 teve valor de US$ 3,65 com alta de 1,00 pontos.

Esses índices representaram ganhos, com relação ao fechamento da última segunda-feira, de 1,17% para o maio/20, de 0,86% para o julho/20, de 0,28% para o setembro/20 e de 0,27% para o dezembro/20.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, os preços do milho atraíram alguns compradores na terça-feira, alimentando ganhos de cerca de 1%. A força de expansão dos setores financeiros e de energia em expansão hoje deu mais apoio. No entanto, a publicação destaca que o espectro de acres maciços dos EUA que devem ser plantados este ano ainda aparece em segundo plano.

A expectativa ainda é de boa produção para a próxima safra de milho americana. É isso que os meteorologistas estão prevendo, juntamente com o clima sazonalmente quente entrando na estação de plantio. “Quente e úmido geralmente são uma receita para rendimentos acima da média do milho”, observa o analista de mercado Bryce Knorr.

Mercado Interno

No mercado físico brasileiro, a segunda-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram registradas desvalorizações apenas nas praças de Luís Eduardo Magalhães/BA (1,10% e preço de R$ 45,00) e Castro/PR (2% e preço de R$ 49,00).

Já as valorizações apareceram apenas em Brasília/DF (4,44% e preço de R$ 47,00) e em São Gabriel do Oeste/MS (6,38% e preço de R$ 50,00).

Em seu reporte diário, a Radar Investimentos aponta que, o ritmo dos negócios no mercado físico paulista está lento. “No entanto, quem necessita se abastecer acaba pagando preços acima da média. Este cenário aliado ao dólar forte tem sustentado as cotações do cereal”.

O estado do Mato Grosso já finalizou o plantio da safra de milho com 90% da área semeada dentro da janela ideal de cultivo, de acordo com dados divulgados pelo Imea no início desta semana.