“Mendes se empenhou por Fávaro e tem razão em ficar magoado”

5 de agosto de 2022 16:22
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

O ex-senador Cidinho Santos, vice-presidente do União Brasil – Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Ex-senador Cidinho Santos diz que optar por Lula é algo normal, mas criticar gestão não foi correto

Vice-presidente estadual do União Brasil, o ex-senador Cidinho Santos afirmou também estar decepcionado com a traição do senador Carlos Fávaro (PSD), que decidiu apoiar a candidatura da primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro (PV), ao Governo.

O vice deu razão ao governador Mauro Mendes (União Brasil), que disse que a atitude de Fávaro demonstrou “ingratidão” a toda ajuda que recebeu para que conseguisse vencer a eleição suplementar ao Senado em 2020.

“Em função de tudo que a gente acompanhou, do que o governador Mauro fez e se empenhou, tanto na eleição quanto depois, no processo da transição da eleição temporária. […] Então, o Mauro Mendes tem razão com a decepção dele”, afirmou à imprensa.

Cidinho declarou que o que mais “magoou” nessa debandada de Fávaro não foi seu apoio à Lula, mas sim o fato do senador ter criticado a gestão do Governo Mendes em sua postagem.

Na postagem, Fávaro escreveu: “Acredito na política do diálogo, da convergência de ideias, na política que sensibiliza e toca o coração das pessoas que sabem que não podem viver com fome num estado tão rico como Mato Grosso”.

Cidinho apontou que “ir para o lado do Lula é questão de avaliar o cenário nacional das oportunidades”. “Isso está normal. Agora, quando você vai para o outro lado e ainda faz crítica ao seu Estado, isso com certeza deixa a pessoa magoada”, disse o ex-senador.

Ajuda de Mendes

O governador foi fundamental para que Fávaro vencesse as eleições suplementares ao Senado. O governador deixou de apoiar o vice-governador Otaviano Pivetta para apoiar Fávaro.

Mendes reagiu à “facada nas costas” no programa Resumo do Dia, de Roberto França: “Eu fico chateado, fico triste. É uma ingratidão, ajudei muito ele e, aí, na primeira oportunidade, ele vai apoiar o outro lado”.