Mendes critica negacionistas e diz que MT vive segunda onda da covid-19

13 de janeiro de 2021 15:01
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Foto: Marcos Vergueiro/Secom-MT

Governador disse que não descarta adotar novas restrições e citou países que tomaram medidas mais duras de distanciamento, como o lockdown.

Diante do aumento no número de infectados pelo novo coronavírus em Mato Grosso, o governador Mauro Mendes (DEM) afirmou nesta quarta-feira (13.01) que o Estado está entrando em uma segunda onda da doença.

Sem citar o nome do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), ele disse que alguns estão entrando na onda do negacionismo, ideia protagonizada por ele, e que isso é muito perigoso, pois os sistema de saúde pública e privada tendem a colapsar novamente, como ocorreu no início da pandemia.

“Parece que estão entrando na onda do negacionismo que alguém, alguns do país, defendem e isso é muito ruim. A segunda onda é verdadeira, está aumentando os casos em Mato Grosso, é verdade, e estamos trabalhando para evitar colapso na saúde. Mas temos limites. Não adianta achar que o Estado consegue abrir mais 200, 300 UTIs, porque não tem equipamento, não tem profissionais da saúde, médicos (…) as pessoas têm que entender isso”.

Mais 14 pessoas morreram vítimas da covid-19 em Mato Grosso nas últimas 24 horas. É o que aponta o mais recente boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) na tarde desta terça-feira (12.01). O documento mostra ainda que 192.353 casos de covid-19 foram confirmados em Mato Grosso desde o início da pandemia. Até agora, 4.708 pessoas morreram em decorrência do coronavírus no Estado.

“É uma realidade que está tendo aumento de casos, em todo brasil e diversos países (…) Ainda estamos na casa de 60% de ocupação de leite UTIs. É verdade que está crescendo e parece que uma parte da população está agindo como se nada estivesse acontecendo. Máscara eu estou vendo todo mundo usar, isso incorporou ao dia a dia, mas o distanciamento necessário não está sendo adotado e isso aumenta a proliferação desse vírus”, alertou o governador.

Em entrevista à Rádio CBN, ele disse que não descarta adotar novas restrições de circulação de pessoas e citou países que tomaram medidas mais duras de distanciamento, como o lockdown, e que assim têm conseguido frear o crescimento dos casos. De forma enfática, Mendes fez um alerto também às pessoas de classe social alta e disse que não adianta achar que está tudo bem ter dinheiro e acreditar que irá se tratar em São Paulo, caso seja infectado.

“E já tem um colapso na rede privada aqui. Então, você que tem condições de pagar, cuidado! Vai precisar de uma UTI e não vai ter. ‘Ah, mas eu vou para São Paulo’. Não vai ter, o [Albert] Einstein está lotado, o Sírio Libanês está lotado. Eu já conheço caso de várias pessoas que não conseguiram porque não tinha vaga lá”.

“Então, meus amigos, só resta uma coisa a se fazer. Primeiro, a vacina .. Mas enquanto isso, o remédio que o mundo inteiro adota… Não é possível que os Estados Unidos, Europa, Reino Unido, Alemanha faz lockdown. Se estão fazendo é porque comprovadamente é uma forma importante de prevenção”, completou.

Dos 192.353 casos confirmados da covid-19 em Mato Grosso, 7.198 estão em isolamento domiciliar e 179.531 estão recuperados. Entre casos confirmados, suspeitos e descartados, há 255 internações em UTIs públicas e 288 em enfermarias públicas. A taxa de ocupação está em 63,28% para UTIs adulto e em 33% para enfermarias adulto.