Maria Helena diz que candidatura à presidência do TJ “é natural”

21 de novembro de 2020 09:21
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Foto: Alair Ribeiro/MidiaNews

Desembargadora é uma das favoritas ao cargo e concorre com outros três magistrados no dia 16;

A desembargadora Maria Helena Póvoas afirmou que sua candidatura à presidência do Tribunal de Justiça de Mato Grosso é consequência de um processo natural.

“Quem está numa carreira almeja chegar ao topo antes de se aposentar”, afirmou. A eleição acontece no próximo dia 26.

Maria Helena está entre os quatros candidatos ao cargo de presidente para o biênio 2021/2022 (leia abaixo).

O atual presidente, desembargador Carlos Alberto, foi impedido de disputar a reeleição pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Atual vice-presidente, Póvoas elogiou a postura de Carlos Alberto em relação ao processo.

“O desembargador Carlos Alberto tem agido com bastante parcimônia, um verdadeiro juiz que preside o processo. Ele não está ajudando a mim e nem um dos outros candidatos. Ele está presidindo o processo eleitoral”, acrescentou.  Considerada uma das favoritas na disputa, ela defendeu que mulheres passem a ocupar cargos de destaque.

O Tribunal de Justiça teve apenas uma presidente mulher em sua história. Trata-se da desembargadora aposentada Shelma Lombardi de Kato no biênio 1991/1993.

“Não estou dizendo isso por mim, mas estou dizendo por aquelas que abriram uma picada interessante no judiciário quando começaram a ingressar no judiciário que durante muito anos, décadas, foi apenas território masculino.

Apesar disse, ela declarou  que, independente do resultado, todos os concorrentes aceitarão o resultado, seja ele qual for.

“Não é eleição onde as pessoas disputam acirradamente. O resultado que vier todo nós aceitaremos com serenidade. Não há nenhuma contrapartida do ponto de vista, que a gente vai ficar um mal estar um com o outro por causa do resultado. Nós sempre convivemos muito bem pós eleição, vencidos e vencedores”, destacou.

A eleição

Além de Maria Helena Póvoas, também se inscreveram Juvenal Pereira da Silva, Luiz Ferreira da Silva e Sebastião Moraes Filho.

As inscrições terminaram na terça-feira (17).

Para o cargo de vice-presidente se inscreveu apenas a desembargadora Maria Aparecida Ribeiro. E para corregedor-geral, o desembargador José Zuquim Nogueira e Pedro Sakamoto.

A nova Mesa Diretora será responsável por comandar o Judiciário mato-grossense no biênio 2021/2022.

A posse dos eleitos ocorrerá no dia 18 de dezembro de 2020, e a entrada em exercício nos respectivos cargos de direção se dará em 1º de janeiro de 2021.

 

Leia mais: 

Três desembargadores se candidatam à presidência do TJ-MT    

Juvenal se candidata a presidente do TJ; Sakamoto tenta Corregedoria