Júlio diz que não descarta projeto, mas decisão será do DEM

2 de dezembro de 2019 14:19
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Ex-governador é citado no grupo de prefeito como nome viável para atrair Democratas para aliança

O ex-governador Júlio Campos (DEM) disse não descartar a possibilidade de ser candidato a vice-prefeito na provável chapa de reeleição do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), nas eleições de 2020.

O nome de Júlio vem sendo objeto de discussão entre lideranças próximas ao prefeito de Cuiabá, como o ex-prefeito Chico Galindo e o advogado Francisco Faiad, que o defendem como solução para apaziguar os ânimos entre DEM e MDB.

Em conversa com o MidiaNews, Campos disse ter transferido seu domicílio eleitoral para Capital, em outubro passado, e se colocado à disposição do Democratas para disputar qualquer cargo no próximo pleito.

“Eu coloquei meu nome à disposição do partido para qualquer candidatura, seja prefeito, vice ou até de vereador se precisar. Não tem nenhum problema. O que me interessa é que o partido tenha um representante político na Capital”, disse.

“Mas fico muito feliz, quero agradecer ao ex-prefeito Chico Galindo, ao Faiad, presidente do MDB em Cuiabá, pela lembrança do meu nome para uma importante função que é essa, de ser vice-prefeito da Capital”, acrescentou.

Júlio afirmou que a decisão sobre o processo eleitoral deve sair entre março e abril de 2020. Segundo ele, será a direção do DEM que escolherá qual o futuro da sigla no processo eleitoral.

Mesmo com as rusgas entre o governador Mauro Mendes (DEM) e o prefeito Emanuel, Júlio disse não ser impossível uma aliança.

“Será discutido internamente no nosso partido com relação a um projeto de candidatura própria, coligação, indicação do meu nome para alguma candidatura. Mas é precipitado discutir isso já neste momento. A partir de março e abril é que vai realmente dar caminhada na escolha de candidato”, afirmou.

“Vamos aguardar. Tudo é possível em política. Nada é impossível. Em princípio, o partido quer lançar uma candidatura própria, mas também pode fazer uma coligação se o partido achar interessante isso. Estarei à disposição. Estou pronto, estou com saúde, entusiasmado, ainda tenho bom respaldo político”, completou.