Espanha: setor perdeu 12 euros por suíno no primeiro semestre

6 de julho de 2022 11:23
Publicado por:
Categorias: Agronegócio, Notícias

Foto: Pixabay

Sindicato aponta o contexto político-econômico como causa fundamental do aumento dos custos de produção

O Sindicato dos Agricultores e Pecuaristas da Espanha, no seu balanço semestral do setor suinícola, estima que os suinocultores tenham perdido 12 euros por suíno durante os primeiros seis meses deste ano devido aos elevados custos de produção .

O Sindicato aponta o contexto político-econômico nacional e internacional como causa fundamental do aumento dos custos de produção. A guerra na Ucrânia provocou o aumento do custo das matérias-primas, que já vinham registrando preços crescentes, levando a aumentos nas rações globais – todo o ciclo produtivo: matrizes, leitões e engorda – de até 39,65 nos últimos 12 meses e 21,9% se for considerado o último semestre, com o que isso implica, uma vez que a ração representa mais de 70% dos custos de produção, o que gera uma perda de 12 euros por porco.

Embora a margem homóloga média dos agricultores seja negativa durante o primeiro semestre, de -11c€/kg, durante o mês de Junho parece haver uma recuperação (+4c€/kg) e uma ligeira melhoria que iremos temos que esperar para ver se dá origem a uma mudança de tendência, segundo dados da SIPConsultors.

O setor, que representa 9,5% do PIB industrial (com 17 mil milhões de euros), registou um ligeiro decréscimo nas suas exportações, menos 9%, embora Espanha continue a figurar entre os países exportadores por excelência.

Nesse sentido, a Catalunha continua sendo a principal área exportadora, 55% do total, seguida de Aragão com 20,8%. A China, por sua vez, continua sendo o principal comprador, 21,1% do total, mas longe dos 55,6% do ano passado, devido à melhora em termos de autossuficiência; A França ocupa o segundo lugar em receber 10,4% das exportações, seguida pelas Filipinas, 7,9%, Itália, 7,8%, Japão, 7%, e Coreia do Sul, 5,9%.

O Sindicato destaca as melhorias que os pecuaristas fizeram nas fazendas para se adaptar às novas regulamentações para reduzir seu impacto ambiental, como fertilização de precisão com esterco, dietas melhoradas dos animais ou minimização da perda de água.

No entanto, a organização explica que as explorações com mais de 1.000 suínos também são obrigadas a aplicar algumas das Melhores Técnicas Disponíveis (BATs) e salienta que muitas vezes é difícil implementar estas técnicas pouco conhecidas a um custo acessível e mais em um momento em que o mercado não oferece margem de lucro, por isso exige que as administrações foquem na realidade do setor.

Preocupação com a PSA

Da mesma forma, e para além desta perda de 12 euros por porco, a organização destaca a preocupação do setor suinícola com a propagação de doenças como a Peste Suína Africana (PSA) (uma doença viral dos porcos e javalis que não afeta as pessoas) , muitas vezes transmitida através do javali onde o agricultor tem pouca margem de manobra.

A este respeito, já afirmou em várias ocasiões a necessidade de aumentar o controlo da fauna bravia e, ao mesmo tempo, insistir no fechamento de acordos bilaterais com terceiros países para conseguir o reconhecimento das zonas de regionalização e, assim, evitar que sejam vetadas. um país inteiro, independentemente de a região ser afetada pela PSA, como a França fez com a China em dezembro passado.

 

Da mesma forma, os operadores a nível estadual são solicitados a interromper a importação de animais vivos até que a origem do último caso na Alemanha, que fica a 12 km da Holanda, que ficou conhecida neste sábado passado, 2 de julho, seja esclarecida.