Covid chegou a Sinop pela ‘porta da frente’, diz prefeita

11 de julho de 2020 07:31
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Foto: Gazeta Digital

logo

A prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PL), foi a entrevistada desta sexta-feira (10) da live do #Gazeta Digital. Entre os assuntos abordados está o fato da doença ter tirado a vida de Wirciley Fonseca, de 45 anos, que era secretário-adjunto de Saúde. A morte ocorreu em abril e foi uma das primeiras registradas em Mato Grosso.

Rosana destacou que a covid-19 entrou no município pela porta da saúde e em um momento em que pouco se sabia de como lidar com a doença e salvar vidas. “A covid aqui entrou pela porta da frente, entrou pela saúde. Nosso secretário, pegou covid, perdemos o adjunto, uma diretora da pasta. Foi muito difícil, nós tinhamos poucos casos e quando veio entrou pela Secretaria de Saúde e com caso grave, já que perdemos o nosso subsecretário que era uma pessoa maravilhosa, que fez e faz muita falta pra nós”, desitacou.

A prefeita disse que após o fato o município passou a ficar mais atento e tomar cuidados. “Por isso que Sinop hoje comparado a outros municípios, somos a 4ª maior cidade, mas com um número menor de pessoas infectadas no estado. Com todo esse cuidado e como alarmamos muito no início com as medidas de higiene e distanciamento acho que hoje nós estamos colhendo”, disse.

O último boletim da Secretaria de Estado de Saúde (SES) desta quinta mostrava 800 casos confirmados de covid-19 e 35 mortes em Sinop. Com uma nova morte nesta sextam a cidade passa a ter 36 óbitos pela doença.

 

Economia x saúde

A prefeita comentou sobre o dilema vivido no mundo todo sobre economia e saúde. Lembra que no começo da pandemia a cidade chegou a ficar fechada por 4 dias. Destaca que contou com o apoio dos comerciantes e com medidas de distanciamento para reabrir.

Hoje apenas bares, tabacarias, escolas e faculdades estão fechados na cidade.

A prefeita destacou na live que há uma reclamação constante em todo Brasil de que estão fechando o comércio, mas que as pessoas estão indo para chácaras fazer festas e ficar em aglomeração.