Convenções definem as principais disputas: Mauro e Wellington versus Márcia e Neri

6 de agosto de 2022 12:07
Publicado por:
Categorias: Bastidores

Foto: Montagem/Divulgação

Apesar do encerramento das convenções partidárias em Mato Grosso, e, algumas articulações e alianças ainda indefinidas, a disputa pelo governo do Estado terá 4 candidaturas.
O governador Mauro Mendes (União) buscará a reeleição, repetindo a dobradinha com Otaviano Pivetta (Republicanos) de vice, e representará o palanque do presidente Jair Bolsonaro (PL) no Estado.

Já representando o palanque de Lula (PT) e Alckmin (PSB) em Mato Grosso, a federação lançou a primeira-dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro (PV). Porém, a vice ainda continua em negociação.

O PTB confirmou chapa pura para a disputa ao governo com o Pastor Marcos Ritela e Alvani Laurindo. Já a federação Rede-Psol lançou Moisés Franz ao governo e Frank Silva de vice. Os dois são do Psol.

Já a disputa ao Senado terá mais candidaturas brigando pela única vaga. Wellington Fagundes (PL) tentará à reeleição e conseguiu ser o candidato na chapa do governador. Ele terá o ex-secretário da Casa Civil, Mauro Carvalho (União) como 1º suplente. Já a outra suplência segue aberta.

Neri Geller (PP) foi confirmado como candidato ao Senado no palanque de Lula. As suas suplências serão definidas ainda neste sábado.
O presidente licenciado da Aprosoja Brasil, Antônio Galvan (PTB) disputará o eleitorado bolsonarista com Wellington Fagundes. Ele tem como suplentes Jairo Ishikawa e Gina Defanti.

A federação Rede-Psol lançou José Roberto de Freitas Cavalcante (PSOL) ao Senado, com as suplências de Vanderley da Guia (PSOL) e Manoel Antonio de Melo (PSOL)
A disputa ainda terá candidaturas solos, como de Jorge Yanai (DC), Feliciano Azuaga (Novo) e Kássio Coelho (Patriota).

Também houve uma desistência da disputa. A médica Natasha Slhessarenko não conseguiu espaço para disputar o Senado, e decidiu não disputar as eleições deste ano.

Nos bastidores, a saída de Natasha da disputa já era aguardada por Max Russi, presidente do PSB. É que Russi sempre quis deixar o PSB no palanque de Mauro Mendes (União) mesmo vendo nacionalmente o PSB com Lula.
A tendência é que PSB apoie Mendes, porém, uma intervenção nacional não está descartada para que o PSB fique no palanque com Márcia Pinheiro.