Aécio e FHC tentam convencer Alckmin a apoiar governo Temer

28 de abril de 2016 09:55
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

Aécio se reunirá com Alckmin e FHC para convencer governador paulista a apoiar o governo Temer

Aécio se reunirá com Alckmin e FHC para convencer governador paulista a apoiar o governo Temer Foto: Visualhunt / O Financista

Duas das principais lideranças do PSDB tiraram a quinta-feira para tentar debelar um dos últimos — porém mais significativos — focos de resistência ao governo de Michel Temer dentro do ninho tucano: o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O presidente nacional do PSDB e senador por Minas Gerais, Aécio Neves, viaja a São Paulo hoje para se reunir com o governador. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso também estará no encontro. A O Financista , um parlamentar ligado às lideranças da sigla revelou que, durante a conversa, Aécio deve apontar alguns pontos do encontro que teve com o peemedebista na quarta-feira (27).

“Temer garantiu a Aécio que fará pelo menos dois convites ao PSDB. O partido deve ficar com um ministério e uma vaga na mesa diretora da Câmara, provavelmente a presidência”, indicou. O senador José Serra estaria cotado para o ministério da Educação.

No encontro, Aécio deve pontuar ainda que Temer acenou positivamente para a adesão das medidas emergenciais apontadas pelo PSDB para estabelecer a recuperação da economia do país e que o PMDB não atuará nas praças que os tucanos veem como prioridade nas eleições municipais de 2016.

FHC estará na conversa porque seu posicionamento favorável a uma participação do PSDB no governo Temer no início da semana foi determinante para que o partido se aproximasse do vice-presidente.

“O ex-presidente FHC participa da reunião por ser um elemento neutro na conversa entre dois possíveis presidenciáveis do partido em 2018 [Aécio e Alckmin]. Ele garantirá a Alckmin que um recuo na resistência ao Temer não representa um enfraquecimento em sua corrida pelas eleições de 2018, até mesmo porque Aécio também mudou de posicionamento”, diz o parlamentar.

O Financista