Ser só, sermos tantos

Gonçalo Antunes de Barros Neto

Os fatos sociais são arquétipos à disposição dos diversos mecanismos de apreensão

Segundo o que normalmente se aceita em termos de pensamento filosófico, ao menos dos não oposicionistas a Kant, a realidade é como nós a conhecemos. Daí resulta que a realidade muda com o conhecimento

Ainda que para Marx nada exista além dos fenômenos, dada sua concepção materialista de mundo e de conhecimento como superestrutura baseado nas nossas necessidades e nos nossos interesses, o certo é que o pensamento kantiano resta atualizado.

Partindo dessa premissa como verdadeira, de que o conhecimento faz a realidade, como pode um homem ou uma mulher chegar à autoconsciência? Pela contemplação?

Goethe responde que não, mas, sim, pela ação. Então, é legítimo concluir que o homem ou a mulher de ação é que faz história, que muda a realidade. Mas, e se a ação for entregue ao rebanho, mais precisamente, ao espírito de rebanho, ou seja, a qualquer movimento entregue a si mesmo, sem qualquer referencial teórico ou posicionamento político pragmático? Estar-se-ia, aqui, a endossar uma realidade mediocrizada dos novos tempos?

Na novela de Chesterton – Ingenuidade do padre Brown -, existe uma passagem, do seguinte tipo: Uma velha senhora mora em um castelo com vinte servos; é visitada por outra senhora e lhe diz – Estou sempre tão sozinha etc. O médico lhe anuncia que há peste nos arredores, perigo de contágio etc., e então ela diz – mas somos tantos!

O que separa a necessidade de cada qual da capacidade de cada qual, e, de ambas, da realidade construída por cada qual. Se o conhecimento transforma a realidade, se é estruturante, não lógico, portanto, e dependente de premissas mais ou menos sólidas, mais ou menos confiáveis, saneadas ou não por processos dialéticos, podemos afirmar que os fatos sociais são arquétipos à disposição dos diversos mecanismos de apreensão, sempre dependentes do preparo dos intérpretes.

Nesse toar, e somente após cuidadoso emprego de contemplação, apesar de Goethe, e para se evitar argumentos sem prova, é que se pode apreender a afirmação do professor Richard Epstein, da Universidade de Chicago: ‘O estudo sobre as instituições humanas é sempre uma pesquisa sobre as imperfeições que se revelam mais toleráveis’.

Atualmente, manifesta-se nas redes sociais contra ou a favor de qualquer coisa, não há uma pauta pré-definida ou, ainda, um maior componente reflexivo. O sujeito se identifica como participante de algo maior, que transcende às crenças ou ideologias, se colocando num patamar moral superior, dizendo ser apartidário ou encarnação de uma consciência universal legitimadora.

Instituições e poderes têm sido vítimas disso. O argumento de autoridade perde cada vez mais espaço para a crença na relatividade de tudo. A realidade que se está a formar santifica o discurso da individualidade em face do Estado e do coletivo, pois, o que sobra é a irresponsabilidade intelectual e ética. A arrogância é a marca – penso assim, e pronto.

Desde Protágoras e seu ‘o homem é a medida de todas as coisas’, que o relativismo vem com mais força a endossar qualquer discurso, aliás, os sofistas adotaram o convencimento como terapia social. Sensibilidade mais subjetividade, deságua em percepção, cada um tem a sua. Qual o espaço para o diálogo e confronto de ideias? Não há, mesmo porque não se respeita a alteridade.

Fundam-se na convicção de que as restrições sociais são causa de infelicidade e inquietude, fazendo coro à afirmação de Rousseau de que “O homem nasceu livre e por toda parte se encontra acorrentado”. Mas, afinal, não somos tantos? É por aí…

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é juiz em Cuiabá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *