Lava Jato condena segundo político: ex-deputado Pedro Corrêa

Ex-deputado federal foi condenado a 20 anos e sete meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro

Terra

O juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, condenou na tarde desta quinta-feira (29), o ex-deputado federal Pedro Corrêa a 20 anos e sete meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ex-líder do PP na Câmara dos Deputados durante parte do governo Lula, Corrêa foi apontado como um dos parlamentares que recebeu propina no esquema de corrupção da Petrobras. Segundo denúncia do Ministério Público Federal, o ex-deputado é responsável pelo desvio de R$ 11,7 milhões da estatal.

Ex-deputado federal Pedro Corrêa foi condenado a 20 anos e sete meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro

Ex-deputado federal Pedro Corrêa foi condenado a 20 anos e sete meses de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro

Corrêa, que está preso em Curitiba, foi denunciado na 11ª fase da Operação Lava Jato, que teve como alvo, ainda, o núcleo comandado pelo ex-deputado André Vargas (o primeiro político condenado pela Justiça Federal neste caso) e o também ex-deputado Luiz Argôlo (cuja ação penal ainda não foi julgada). No total, foram identificados 72 repasses de propina ao ex-parlamentar. Condenado também no escândalo do mensalão, Corrêa teria recebido propina, inclusive, quando já era réu no STF, afirma Moro na sentença.
Leia mais

Escassez de água é tema de Oficina com Profissionais de Imprensa

Acontece na próxima terça-feira (03), às 19 horas, no auditório do Instituto Nacional de Pesquisa do Pantanal – INPP, campus UFMT, uma oficina com profissionais de imprensa, para discutir o “Papel dos Meios de Comunicação diante da Escassez de Água”. O evento contará com a presença de renomados jornalistas mato-grossenses e será coordenada pelo Analista de Programa de Conservação do WWF-Brasil, Angelo Lima.
Leia mais

ALÍVIO NA LUZ – Alvo da PF, empresa consegue liminar para redução do ICMS

Empresário alegou cobrança indevida do governo do Estado

Folha Max

A juíza da 3ª Vara Especializada da Fazenda Pública, Antônia Siqueira Gonçalves de Barros, concedeu liminar a favor da empresa Vale Formoso Distribuição LTDA na qual determina que o Governo do Estado se abstenha de cobrar ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que incide sobre a TUSD (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição) da energia elétrica. 
Leia mais