Janaina Riva se articula pela mesa diretora da AL

logo

JL Siqueira

Foto: JL Siqueira

Enquanto uma ala dos deputados eleitos e reeleitos no último domingo (7) planeja uma reedição da atual Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, mantendo a dupla Eduardo Botelho (DEM) e Guilherme Maluf (PSDB) em alguma função, outro grupo, composto principalmente por parlamentares novatos, defende uma renovação.  Entre os nomes que ganham força nesse seguimento está o da deputada Janaina Riva (MDB), a mais votada deste pleito.

Em entrevista à rádio Capital FM, na manhã desta quinta-feira (11), a emedebista adotou um tom mais crítico ao atual presidente, em comparação ao que vinha demonstrando. Disse que Botelho deixou de defender os interesses do Legislativo e se submeteu ao Palácio Paiaguás, sob o comando do governador Pedro Taques (PSDB).

“Como pode, enquanto representante de um Poder, não ajuizar [cobrança dos] valores em atraso do duodécimo? Acredito que o Botelho deveria, sim, ter ajuizado. Cobrei dele várias vezes. Também do Guilherme Maluf como primeiro-secretário. Por que não cobrou aquilo que era de direito?”, questionou.

A deputada também fez uma crítica velada à dupla quando disse que, durante o período em que Botelho e Maluf foram presidentes, não conseguiu presidir comissões importantes do Parlamento e comparou a situação à época em que seu pai, o ex-deputado José Riva, era quem comandava a Assembleia. Segundo Janaina, naqueles tempos todos parlamentares, sendo da base ou da oposição, tinham oportunidades iguais.

“A Assembleia, infelizmente, perdeu a característica de independência e de Poder. Se enfraqueceu muito nos últimos anos. Isso não quer dizer que você precise fazer algo de errado, mas quer dizer que você precisa agir, principalmente enquanto presidente. Se você quer ser presidente, não pode ser base ou oposição. Você tem que ser independente”, afirmou.

Na lista dos deputados que conseguiram a reeleição, Allan Kardec (PDT) é um dos que defende a emedebista para um cargo na nova Mesa. A avaliação do pedetista é que o poder de administrar o Parlamento não deve ser perpetuado entre alguns deputados. “Os novos deputados também vão influenciar nessa decisão, mas é preciso abrir espaço para todos. Todos têm capacidade para fazer parte da Mesa”.

A própria Janaina iniciou diálogo com os 14 “novatos” que vão compor o plenário a partir do ano que vem. “Todas às vezes, durante a eleição da Mesa, a gente fica só na promessa. Ouvi na eleição passada de que iam apresentar uma mudança no regimento interno na qual, além de não poder a reeleição, não poderia alternar cargo de presidente para primeiro-secretário. Não ocorreu”, criticou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *