Desde 2015 não existe ‘mensalinho’ na AL, afirma Botelho

9 de outubro de 2019 07:13
Publicado por:
Categorias: Notícias, Política

logo

Assim que soube do vazamento da proposta de delação do ex-deputado José Riva (sem partido), o atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM) conta que o procurou para saber a veracidade das informações. No entanto, não obteve êxito na confirmação, porém acredita que as declarações atribuídas ao ex-parlamentar não arranha a imagem da Assembleia Legislativa, mas dos deputados estaduais ‘delatados’.

Para Botelho, a instituição Assembleia Legislativa de Mato Grosso é mais forte e precisa ser preservada. No entanto, o parlamentar preferiu não dizer se a Mesa Diretora deve tomar uma atitude contra os “delatados” por Riva porque nem o ex-deputado e nem os membros do Ministério Público Estadual confirmam a autenticidade da proposta de delação vazada pela imprensa.

“Primeiro nós temos que aguardar para ver a autenticidade dessa proposta, falei com membro do MPE e eles não confirmaram, falei com o deputado Riva e ele não confirmou. O documento não está assinado e estamos na onda dos fakes. Temos que ter cautela antes de tecer qualquer comentário ou julgamento”, disse Botelho dizendo que trabalha com a hipótese do documento não ser real.

O deputado negou a existência de um “mensalinho” na Assembleia. Segundo ele, desde 2015 quando assumiu não houve pagamento por fora para garantir governabilidade as gestões. “Já ouviram alguém falar de mensalinho aqui dentro depois que estamos aqui? Não tem! Se tivesse, acaba alguém falando. São 24 deputados, um fala, outro fala, na política você não consegue manter segredo, não adianta”, disse.

Botelho destacou ainda que o mensalinho supostamente citado por Riva era desconhecimento público, porque na época, nos bastidores da política já se comentava a existência de um pagamento para manter a governabilidade. “Não existe mensalinho dentro da Assembleia”, finalizou.