Defaz investiga ‘devolução’ de verba indenizatória após denúncia contra Wellaton

A Gazeta

Felipe Wellaton – Foto: Câmara de Cuiabá

A Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administraçao Pública (Defaz) é quem deve investigar a denúncia de que o vereador Felipe Wellaton (PV) estaria cobrado a devolução da verba indenizatória para ceder sua vaga na Câmara de Cuiabá ao suplente. A acusação partiu do ex-chefe de gabinete do parlamentar, que procurou o Ministério Público Estadual (MP). A investigação está sob sigilo.

Jadson Nazário de Freitas, que chefiou o gabinete do vereador, teria entregue a Promotoria de Justiça comprovantes de depósitos, incluindo para terceiros, com vistas a pagar por serviços particulares de Felipe Wellaton. Também teria sido anexada a denúncia, diversos diálogos por meio do aplicativo de mensagens instantâneas, WhatsApp.

A reportagem de A Gazeta não conseguiu contato com o ex-chefe de gabinete. Já Felipe Wellaton disse que seus advogados estão buscando informações sobre como o caso “vazou” para a imprensa. O parlamentar afirmou ainda acreditar se tratar de uma “armação” para prejudicar seu mandato, uma vez que mantém postura de oposição a atual administração municipal dentro da Câmara.

“Preciso saber o conteúdo do que me foi imputado por aquela pessoa. Assim que eu me cientificar sobre o que se trata o objeto das matérias publicadas, prestarei todos os esclarecimentos necessários a imprensa e para a população de Cuiabá”, disse o vereador.

Caso seja comprovada a veracidade da denúncia, Felipe Wellaton pode ser alvo de um processo que pode culminar na cassação de seu mandato.

Retorno

Nas eleições de 2016, Jadson trabalhou como coordenador da campanha de Wellaton. O parlamentar foi eleito com 3.054 votos. O ex-chefe de gabinete teria afirmado que o vereador cobrava dele o repasse da verba indenizatória de R$ 4 mil que é destinada ao cargo que ocupava. O ex-funcionário trabalhou com o parlamentar por aproximadamente um mês.

Na semana passada, o áudio de um diálogo entre os suplentes de vereador do PV, Jamilson Moura e Sidney Souza, que já assumiram vaga na Câmara neste ano, veio a público. Nele, os suplentes afirmam que Felipe Wellaton teria condicionado receber indevidamente a verba indenizatória de R$ 18,9 mil para abrir espaço a um deles. Além de Wellaton, Marcos Veloso, do mesmo partido, foi acusado. A reportagem não conseguiu contato com Veloso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *