Aprosoja quer controlar onde o dinheiro do Fethab será aplicado em MT

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 16/10/2018

Vereadores podem ser cassados por discriminar mulheres na política

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 15/10/2018

Os vereadores de Cuiabá que são acusados de puxar o tapete das mulheres na última eleição municipal, terão mas problema com a justiça. O desembargador Márcio Vidal. Presidente do TRE de Mato Grosso, autorizou o Ministério Público Estadual a entrar com recurso no Tribunal Superior Eleitoral, contra os quatro vereadores de Cuiabá, que são acusados junto com os seus partidos de desrespeitar a cota mínima que é exigida por  lei para as candidaturas femininas. Estão correndo o risco de até perder os mandatos, os vereadores Abílio Junior, Marcrean Santos, sargento Joelson e Elizeu Nascimento. Os quatro aliás, já haviam sido cassados pelo juiz Gonçalo Antunes de Barros Neto.

No recurso contra a decisão, o juiz Ulisses Rabaneda, do Tribunal Regional Eleitoral, determinou o arquivamento da ação, porque nem todos os envolvidos tiveram direito a defesa. Teria ocorrido um erro de procedimento, pelo fato de não ter sido incluído no processo os nomes das mulheres candidatas. O que o Ministério Público alega é que isso não foi feito, exatamente porque elas é que foram vítimas da armação dos candidatos do sexo masculino e dos partidos a que eles pertencem.

A verdade é que elas foram discriminadas e passadas para trás. O resumo de tudo isso é que as mulheres foram simplesmente utilizadas como laranjas dos homens, justamente eles que quando são candidatos juram por tudo quanto é mais sagrado que irão defender os direitos do sexo feminino. Neste caso, conforme acusação do ministério público, os marmanjos tentaram passar por cima da lei, atropelando o direito das mulheres. E agora na eleição desse ano, novas denúncias surgiram. Os partidos, comandados pelo coronéis, tiraram o dinheiro delas para bancar a campanha deles. teve até marmanjo que foi castigado e não conseguiu se reeleger, apesar do golpe baixo. E isso só vai se corrigir, quando as mulheres usadas como laranjas, espremerem os homens no liquidificador da justiça.

Os privilégios dos barões da soja podem estar com os dias contados em MT

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 12/10/2018

A pressão e as cobranças vão aumentar e muito em cima do agronegócio aqui em Mato Grosso, a partir do ano que vem. Isso em função do resultado das urnas, que redesenhou o cenário político estadual. A renovação foi grande, tanto na Assembleia Legislativa, com catorze novos parlamentares e também na Câmara Federal, onde apenas um deputado se reelegeu.

Os grandes produtores do Estado, conhecidos como os barões da soja e do algodão, serão cobrados de forma mais incisiva para contribuírem pelo menos um pouquinho com o recolhimento de impostos. O agronegócio nos últimos anos fez muitos milionários e uma meia dúzia de bilionários e tem sim enormes privilégios concedidos pelo poder público. A isenção de impostos que deveria ser apenas para a produção das comodities destinada a exportação, acaba por uma série de razões, se estendendo também aquilo que fica no mercado interno.  E isso não dá mais pra continuar assim, porque não é possível aceitar que a carga fique em cima exatamente dos mais pobres.

E o agronegócio de Mato Grosso na eleição deste ano, sofreu também uma grande derrota na eleição para o senado. Os três candidatos que representavam o setor, Nilson Leitão, Adilton Sachetti e Carlos Fávaro não conseguiram se eleger. Pior do que isso. Os grandes líderes, os mega produtores, colocaram muito dinheiro e trabalharam contra quem acabou se elegendo, que é o caso do senador eleito Jayme Campos. E ele já avisou em alto e bom som que não irá defender nem os barões e nem os tubarões. Jayme Campos já revelou que já conversou sobre isso com o governador eleito Mauro Mendes, para que os bilionários do campo devolvam pelo menos um pouco da imensa fortuna que retiram da terra aqui em Mato Grosso. E a verdade é que sem acabar com os privilégios, não dá pra mudar coisa nenhuma.

Vale tudo. Bolsonaro quer 13º para Bolsa Família e Haddad esconde Lula

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 11/10/2018

Começa nesta sexta-feira no rádio e na televisão, o horário da propaganda eleitoral para o segundo turno da eleição presidencial. E a nova pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira, jogou um balde água fria no candidato do PT, Fernando Haddad e animou ainda mais os seguidores de Jair Bolsonaro. Pelos votos válidos, quando se exclui os brancos, nulos e a abstenção, o petista aparece com dezesseis pontos atrás do capitão reformado do exército. O placar da primeira pesquisa nesta faze é de 58 a 46. Bolsonaro está na frente em quase todos os segmentos. vence entre os homens e mulheres e também em todas as faixas etárias pesquisadas, a partir dos dezesseis com quem tem sessenta anos ou mais.

No segmento de escolaridade, Fernando Haddad está vencendo apenas no público que tem apenas o ensino fundamental. Nas outras, ele perde em todas. Pela faixa de renda, Bolsonaro só perde entre aqueles que ganham até dois salários mínimos. O resultado da pesquisa pelas regiões do país, mostra que o candidato do PT ganha apenas na região nordeste. E a leitura aí é bem simples. É o peso enorme do bolsa família, o programa de distribuição de renda criado no governo do ex-presidente Lula.

E foi por causa disso, que Bolsonaro fez uma proposta que caiu como uma bomba na cabeça dos petistas. Ele prometeu com a maior desenvoltura criar o décimo terceiro salário para milhões de pessoas que já recebem o auxílio do bolsa família. É uma espécie de golpe de misericórdia, é o vale tudo eleitoral. Mas o PT não fica atrás, na tentativa de conquistar ou então enganar o eleitor, os estrategistas do partido decidiram diminuir a cor vermelha na propaganda eleitoral.

Mas não foi só isso. Vão também dar uma escondidinha básica no ex-presidente Lula, preso em Curitiba, por corrupção e também lavagem de dinheiro. Fernando Haddad foi liberado e não terá que visitar o chefe na cadeia neste segundo turno. de um lado e de outro, o que sobrou para os brasileiros é isso mesmo. Se ficar, o bicho come. Se correr, o bicho pega.

Taques diz que povo não erra por ter escolhido grupo de Mauro Mendes

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 10/10/2018

Já está tudo acertado para começar o processo de transição do atual governo de Pedro Taques para o futuro governo de Mauro Mendes, eleito com quase sessenta por cento dos votos no último domingo. Pelo lado da atual administração, a coordenação ficará a cargo do secretário da Casa Civil, Ciro Gonçalves, mas também farão parte da equipe, a procuradora geral do Estado e os secretários de Fazenda e Planejamento. O decreto nomeando esta comissão já foi publicado no Diário Oficial do Estado. O governador disse que orientou todos os seus assessores a fornecerem todas as informações para os representantes do próximo ocupante do Palácio Paiaguás.

Pelo lado do novo governo, Mauro Mendes já declarou que ele mesmo será vai chefiar a sua equipe de transição, porque quer saber em detalhes qual a reação situação do Estado. Aliás, ele já afirmou que existe um caos financeiro e que Mato Grosso está num atoleiro. Pedro Taques revelou a imprensa que telefonou para Mauro Mendes para dar os parabéns, além de reconhecer a vitória, do ex-aliado, com quem trocou as mais diversas acusações na campanha eleitoral.

Pedro Taques admitiu que o cidadão não erra e que a população de Mato Grosso entendeu que neste momento o grupo conduzido pelo ex-prefeito de Cuiabá era a melhor alternativa para assumir o comando do Estado. Disse ainda que vai fazer uma avaliação com a equipe dele, para compreender melhor as razões desse resultado, ficando num modesto terceiro lugar e é o primeiro governador do estado que é derrotado ao tentar a reeleição. A opinião dos analistas políticos é a de que se o governador tivesse dado mais atenção as pesquisas qualitativas, não iria buscar um novo mandato. E o próprio Pedro Taques admitiu isso ao afirmar que o cidadão não erra. Agora é esperar pra ver se Mauro Mendes vai acertar, cumprindo tudo aquilo que prometeu.

O duro recado das urnas para os políticos delatados e os carreiristas

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 09/10/2018

Os políticos tradicionais do país, também conhecidos como carreiristas, sofreram um duro golpe das urnas na eleição do último domingo. Este foi um dos recados do eleitor para os tradicionais dinossauros. No senado, por exemplo, dos trinta e dois que tentaram se reeleger, só oito conseguiram. Ficou de fora por exemplo, o presidente do PMDB, Romero Jucá, que foi líder do governo de três presidentes, além de ter sido ministro de Lula e de Michel Temer. Romero Jucá foi também uma grande estrela da Lava Jato.

No Rio de Janeiro, mandaram pra casa o petista Lindbergh Farias e o ex-prefeito carioca, Cesar Mais, do Democrata. No Paraná, quem flertou com a derrota, foi o escandaloso Roberto Requião, do MDB, além do ex-governador, Beto Richa.

O efeito Bolsonaro foi arrasador. Em Minas Gerais, deram outro cartão vermelho para Dilma Roussef, que foi há oito anos atrás, o poste que Lula elegeu. No Maranhão, outro serviço asseado. Colocaram pra correr, Edson Lobão, José Sarney Filho e sobrou também para a irmã dele, Roseana Sarney. Teve limpeza ainda no Ceará com a derrota do atual presidente do senado, Eunício Oliveira. No Espírito Santo, Magno Malta, que quase foi vice de Bolsonaro, é outro que não volta para o senado. Em Goiás, Marconi Perillo, do PSDB, vai ter mais tempo para prestigiar os sertanejos de Goiânia. Em São Paulo, mais um petista, Eduardo Suplicy, terá que cantar em outra freguesia, abatido com a ajuda do furacão Bolsonaro.

Os analistas dizem que esse estrago todo foi em cima de quem estava envolvido com corrupção ou que votou contra os interesses do eleitor. Em Mato Grosso, temos também vários exemplos de políticos que as urnas mandaram pras casa. Vitório Galli, candidato a reeleição, não teve nem de longe o desempenho de campeão de votos Nelson Barbudo, que fez barba e cabelo, com quase cento e trinta mil votos. Mais dois que tentaram se reeleger agora choram o leite derramado. Ezequiel Fonseca, do Partido Progressista e Valtenir Pereira, atualmente no MDB de Carlos Bezerra, que foi o único que se reelegeu. Será que toda essa turma vai entender o recado das urnas ou vai precisar desenhar?

O efeito Bolsonaro em MT e a derrota dos candidatos do agronegócio

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 08/10/2018

O ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes, impôs uma grande derrota aos seus dois principais adversários, Wellington Fagundes e Pedro Taques. O resultado das urnas não deixa dúvidas sobre o sentimento da maioria da população. O eleitor decidiu que a hora é de mudança, mas vai cobrar o que foi prometido na campanha. E a maior promessa do futuro governador é fazer com que a saúde volte a funcionar e atender bem o cidadão.

Assim que foi declarado vencedor, Mauro Mendes disse que uma das tarefas mais urgentes será equilibrar as finanças do Estado e mandou um recado aos poderes. Disse que pretende conversar, mas que é preciso que todos tenham compreensão sobre o momento que o Estado atravessa. É um diálogo difícil, porque os poderes sempre resistem em cortar os privilégios, que não são poucos.

Sobre os servidores, afirma que os direitos serão garantidos, mas que o governo não pode descuidar de outros setores, que são muito importantes e citou como exemplo a área da saúde.

Já na disputa para o senado, o destaque foi para a votação da juíza aposentada, Selma Arruda, com mais de 670 mil votos. Os analistas atribuem este desempenho em grande parte ao efeito Jair Bolsonaro, que em Mato Grosso, proporcionalmente, foi o quarto mais bem votado no país. Mas Selma Arruda deve ter problemas pela frente, por conta das denúncias de caixa dois e abuso do poder econômico.

Já o ex-governador Jayme Campos, que foi o segundo senador eleito, acabou tendo menos votos do que as pesquisas apontavam. Mas é importante registrar que derrotou três fortes candidatos ligados ao agronegócio, Carlos Fávaro, Adilton Sachetti e Nilson Leitão. Sobre ter sido o segundo lugar na disputa, o senador eleito reconhece que o cenário político do país mudou. E aproveitou pra dar um recado curto e groso. Jayme Campos diz que vai trabalhar para ajudar Mauro Mendes no governo, mas que no senado não vai representar bem barão e nem tubarão.

O resultado das pesquisas e as denúncias contra os candidatos

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 06/10/2018

De uma lado, Bolsonaro. De outro, o PT de Lula. E Deus, é mesmo brasileiro?

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 05/10/2018

O candidato Jair Bolsonaro, não compareceu ao último debate entre os candidatos a Presidente da República, mas concedeu uma entrevista de trinta minutos a TV Record, onde centrou as críticas no adversário do PT, dizendo que Fernando Haddad é apenas um fantoche do ex-presidente Lula e que a campanha dele é conduzida de dentro da cadeia. A tentativa de Bolsonaro é conseguir ganhar a eleição no próximo domingo, já que no segundo turno a disputa seria ainda mais difícil.

O candidato do PT agora é chamada de fantoche, mas há alguns anos atrás a ex-presidente Dilma Roussef foi chamada de poste, porque o petista Lula, condenado por lavagem de dinheiro e corrupção, dizia que até um poste ele conseguiria eleger. Fernando Haddad é sim um poste, ou um fantoche, como prefiram, mas o candidato Bolsonaro também tem muitas resistências. Ele é criticado por suas propostas radicais, pela intolerância com as minorias e e por já ter dito e alto e bom som que é favorável em armar a população.

Existe um temor muito grande do que poderia vir a ocorrer com o país se ele vier a ser o presidente. Também assusta grande parte dos brasileiros que a nação volte a ser comandada pelo PT, um dos maiores responsáveis pelos escândalos recentes de corrupção, onde o assalto aos cofres da Petrobrás, é apenas o mais famoso. o PT e outros que apoiavam os governos de Lula e Dilma, são quase que sinônimos da Operação Lava Jato, que levou tantos ladrões do dinheiro público para a prisão.

Tanto Fernando Haddad como Jair Bolsonaro, são rejeitados por mais de quarenta por cento da população, de acordo com todas as pesquisas. Ou seja, entre cada dez brasileiro, quatro não querem nem um, nem outro. É algo assustador. Teremos um país dividido, de um lado pelo radicalismo e de outro, pela roubalheira. Quem conseguir olhar para esse cenário, sem paixão ou ódio, dificilmente conseguirá ser otimista. Mas resta uma esperança, porque muitos já disseram que deus é nosso conterrâneo. Tomara que ele seja mesmo brasileiro.

Tribunal da Contas fará auditoria completa na saúde de MT

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 04/10/2018

O Tribunal de Contas do Estado poderá promover uma devassa na Secretaria de Estado da Saúde. O conselheiro Isaias Lopes da Cunha determinou uma completa auditoria da pasta, depois de um levantamento onde foram definidas cinco áreas que serão fiscalizadas. Este trabalho vai enfocar a estrutura física e tecnologia, contratos de gestão, os processos de aquisição, a aplicação do percentual mínimo estabelecido pela lei, e também a Central de Regulação.

O atraso nos repasses aos município também será avaliado, porque os valores que deixaram de ser pagos são superiores a cento e vinte milhões de reais. Os auditores também querem saber o que aconteceu com os cento e doze milhões referente as emendas dos deputados federais e senadores. Que foram repassados pelo Fundo Nacional de Saúde. Este caso já está sendo investigado também pelo Ministério Público  Federal.

Ainda será alvo da fiscalização a Caravana da Transformação, que foi questionada pelo Ministério Público Estadual. Entre os serviços oferecidos pela caravana, estavam, consultas e cirurgias oftalmológicas. Na operação catarata foi denunciado, que faltava até controle nos pagamentos para a empresa contratada pelo governo estadual. Isso tudo precisa ser muito bem esclarecido, porque o setor de saúde é um verdadeiro caos em Mato Grosso. É preciso saber como está sendo gasto o dinheiro, que não é pouco. Mais de um bilhão e oitocentos milhões de reais. Na campanha deste ano, este foi o principal tema discutido pelos candidatos. Prometeram o mundo e o fundo. Vamos esperar pra ver se dessa vez vão honrar os compromissos assumidos com a população, que é humilhada quando precisa do atendimento na rede pública de saúde.

Sem provas, denúncia de propina e caixa 2 contra Blairo é arquivada

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 03/10/2018

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, está sorrindo de orelha a orelha. É que a Procuradoria Geral da República, alegando falta de provas, pediu para arquivar o inquérito contra o ministro , em função das acusações de dois ex-executivos da empreiteira Odebrecht, sobre uma propina de doze milhões de reais, que teria sido usada para bancar a campanha dele a reeleição ao Governo de Mato Grosso em 20116. O que a procuradora Raquel Dodge alegou é que não foram produzidas provas para sustentar a investigação.

Como o fato ocorreu há doze anos, segundo ele, não seria possível mais elementos para denunciar Blairo Maggi ao Supremo Tribunal Federal. De acordo com um dos delatores, a empreiteira teria sido procurada pelo ex-secretário da Casa Civil, Eder de Moraes, que solicitou a propina de doze milhões para a campanha eleitoral do então governador e que este valor era equivalente a trinta e cinco por cento de uma dívida do Estado com a Odebrecht.

A Operação Lava Jato apreendeu uma lista de pagamento da construtora, que tinha um departamento exclusivo para pagar propina, onde aparecia o codinome caldo, que seria uma referência a marca de uma sopa, a sopa Maggi. Na delação, é citado inclusive que Blairo teria feito até um pedido ao então presidente Lula, para pagar uma indenização a Mato Grosso, que era uma pendência do governo federal desde a divisão do Estado. Mas o ministro da Agricultura ainda tem outros problemas pra resolver. Um deles é a acusação de que  teria participado da compra da vaga do conselheiro Sérgio Ricardo, no Tribunal de Contas, por doze milhões de reais. O número de doze milhões é só uma coincidência, porque um caso não tem nada a ver com o outro. A denúncia dos delatores tem outro número 12, porque teria sido há doze anos. Parece coisa cabalística, que significa algo misterioso e enigmático. Será que foi por isso que não encontraram as provas???

Gazeta Dados aponta Mauro no primeiro turno e Jayme liderando Senado

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 02/10/2018 

Nova pesquisa mostra que disputa pelo senado será voto a voto

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 01/10/2018 

Uma nova pesquisa de intenção de votos divulgada nesta segunda-feira, mostra que a eleição para o Governo do Estado, não terminaria ainda no primeiro turno. Os números são do instituto vetor, apontam Mauro Mendes na liderança com trinta e cinto por cento dos votos, Pedro Taques com dezessete por cento e Wellington Fagundes com dezesseis por cento. Moisés Franz do PSOL tem dois por cento e Artur Nogueira da Rede, aparece com um por cento. Brancos e nulos são dez por cento e dezenove por cento dos eleitores dizem que estão indecisos.

O Instituto Vetor fez também o cálculo dos votos válidos. Excluindo-se os nulos e brancos, que não entram no cálculo, Mauro Mendes teria quarenta e nove por cento, Pedro Taques vinte e quatro e Wellington Fagundes, vinte e três por cento. Para que um candidato vença a eleição no primeiro turno, ele precisa alcançar pelo menos, cinquenta por cento dos votos mais um.

A pesquisa mostra também uma disputa acirrada pela segunda vaga ao senado, já que neste ano serão eleitos dois senadores. A liderança permanece com o democrata Jayme Campos, que de acordo com o Instituto Vetor, teria vinte e sete por cento dos votos. Em seguida aparecem o candidato Nilson Leitão, do PSDB, com dezesseis por cento dos votos, a candidata do PSL, Selma Arruda, com quinze por cento e o procurador Mauro do PSOL, com catorze por cento. Pelos números, dentro da margem de erro, Leitão, Selma e o procurador Mauro estão empatados tecnicamente. O ex-vice governador Carlos Fávaro tem dez por cento, o deputado Adilton Sachetti tem nove por cento e a ex-reitora da UFMT, Maria Lúcia Cavalli Nedes teria oito por cento.

É mais uma pesquisa que mostra que a segunda vaga ao senado, será disputada voto a voto, até o último instante. Antes da abertura das urnas, não tem como arriscar o nome de quem seria o segundo ocupante desta vaga no Senado da República.

TCE autoriza pagamento da RGA e Governo se livra de uma greve geral

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 27/09/2018 

Na saúde o caos continua. Médicos de Sinop param por atraso de salário

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 26/09/2018 

Mais um problema para a caótica saúde de Mato Grosso. Desta vez são os médicos do Hospital Regional de Sinop, que devem paralisar o atendimento porque os salários estão atrasados. A informação é que serão suspensos a partir desta sexta-feira, os serviços ambulatoriais de rotina e não emergenciais. No mês passado, uma outra paralisação já tinha ocorrido também por atraso no pagamento dos salários. Os médicos ainda não receberam o salário de julho e o de agosto nem tem previsão. A direção do Hospital Regional de Sinop, informa que poderá regularizar a situação, assim que receber o repasse da Secretaria Estadual de Saúde.

Há alguns dias atrás, um outro hospital regional, o de Rondonópolis, foi destaque em toda imprensa. Os corredores dos hospital e o centro cirúrgico foram alagados pela chuva e apareceram até ratos mortos no interior do hospital.

A verdade é que estes problemas atingem praticamente todos os hospitais do interior do Estado. O Governo do Estado não honra com os compromissos e os pagamentos sempre atrasam, criando enormes dificuldades para a população, que é muito mal atendida. Os repasses aos municípios na atenção básica, também não estão em dia e a dívida é muito alta. Enquanto isso, na campanha eleitoral, são promessas e mais promessas. É bom o eleitor ficar atento, analisar bem e principalmente anotar tudo, para que depois ele possa cobrar tudo que estão prometendo. Não dá mais pra ficar assim. a saúde precisa melhorar, porque quem precisa de atendimento acaba sofrendo uma grande humilhação.

Mauro e Wellington: Do jogo combinado à guerra declarada

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 25/09/2018 

Os ataques entre os candidatos aumentam de intensidade com a aproximação da reta final da campanha eleitoral. E praticamente ninguém escapa das acusações. O candidato ao senado pelo PSDB, Nilson Leitão, quer ser indenizado por danos morais pela ex-aliada, Selma Arruda. A candidata acusou Leitão de ter participado de um esquema de desvio de dinheiro público na Seduc, em função da delação do ex-secretário Permínio Pinto e do empresário Alan Maluf.

No final de semana, Ezequiel Fonseca, que é candidato a reeleição a deputado federal, foi hostilizado num evento promovido pelo candidato ao senado na chapa de Wellinton Fagundes, Adilton Sachetti. O deputado Ezequiel foi chamado de caixa de papelão, numa referência a um vídeo que faz parte da delação de Silval Barbosa, onde o parlamentar aparece recebendo dinheiro numa caixa de papelão.

Mas a briga que está mais acirrada é a que envolve os candidatos ao governo, Mauro Mendes e Wellington Fagundes. O candidato do PR diz que Mauro, apesar de ter recebido milhões de incentivos fiscais, as empresas dele entraram em recuperação judicial. Wellington também faz críticas as obras inacabadas quando Mauro Mendes foi prefeito de Cuiabá. O ex-prefeito de Cuiabá também pega forte contra o  adversário. Ele teve até uma propaganda suspensa pela Justiça Eleitoral, onde afirma que o senador é réu no Supremo Tribunal Federal, respondendo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além disso, também levantou suspeitas destacando que o patrimônio do concorrente cresceu de forma gigantesca nos últimos anos.

No caso de Mauro e Wellington, a briga tem uma explicação bem clara. De uma lado, Mauro Mendes quer liquidar a fatura no primeiro turno e Wellington vai fazer de tudo para provocar um segundo turno. Os dois que até ensaiaram um joguinho combinado, agora vão usar todas as armas para atingir seus objetivos. É quase a lei da selva. Quem puder mais, vai chorar menos.

Fernando Henrique faz apelo por unidade contra Bolsonaro e PT

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 21/09/2018

A atual disputa pela presidência da República revela que a situação do país, é mesmo muito complicada. A polarização  entre a postura radical de Jair Bolsonaro de um lado e de outro o candidato Fernando Haddad, que remete ao passado recente dos grandes escândalos de corrupção envolvendo o PT, provocam um clima enorme de insegurança em toda nação.

E é exatamente por causa disso que o ex-presidente Fernando Henrique, conhecido pela sua lucidez política, faz um apelo, onde pede união contra os candidatos radicais, para evitar que a crise piore ainda mais. Ele divulgou uma carta aberta, sem citar nomes e defende um apoio a quem reunir as melhores condições de obter êxito eleitoral. O temor do ex-presidente é que as alternativas no segundo turno desta eleição sejam Bolsonoro e o candidato do PT de Lula. Ele pede sensatez e aliança entre os candidatos não radicais, para evitar que o barbo naufrague.

A preocupação de Fernando Henrique que foi colocada de forma bem transparente, é que a escolha de um salvador da pátria ou de um demagogo, mesmo que bem intencionado, possa levar o país ao aprofundamento da crise econômica, social e política. o ex-presidente também citou que a gravidade de uma facada com intenções assassinas deveria servir como um grito de alerta para quem prega o ódio entre os brasileiros, numa referência direta a Jair Bolsonaro. Do outro lado, diz o ex-presidente, está o candidato do PT, que representa um líder preso por acusações de corrupção. Para Fernando Henrique, isso mostra a que ponto chegamos. Goste-se ou não do ex-presidente FHC, esta é sim a triste realidade política do nosso país.

Conselheiro afastado é acusado de ameaçar empresário de morte

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 19/09/2018

Um empresário relatou em delação premiada na Operação Ararath, que teria sido vítima de uma provável ameaça de morte, que partiu do conselheiro afastado do  Tribunal de Contas do Estado, Sérgio Ricardo. De acordo com este empresário, ele foi ameaçado para que ocultasse a compra de um canal de televisão em Cuiabá, adquirido por 5 milhões de reais. Sérgio Ricardo teria dito que não poderia aparecer como dono da emissora de TV, pelo fato de ocupar o cargo de conselheiro.

A compra deste canal de televisão ocorreu depois que foram iniciadas as negociações para a compra da vaga de conselheiro que era de Alencar Soares. De acordo com as investigações, o valor acertado para a compra da cadeira seria de quatro milhões. O valor foi obtido com o empresário Junior Mendonça, primeiro delator da Operação Ararath e repassado ao conselheiro aposentado por meio de depósitos em contas bancárias de terceiros. Na época, Alencar soares chegou a desistir da aposentadoria, após uma conversa com o então governador e hoje ministro da Agricultura, Blairo Maggi.

Neste escândalo da Aratath, o Ministério Público Federal apurou um desvio de dinheiro público superior a quinhentos milhões de reais. Todos os envolvidos continuam negando as acusações, mas cinco conselheiros foram afastados do Tribunal de Contas do Estado. Mas isso já foi resultado de uma outra delação, a do ex-governador Silval Barbosa. Todo esse esquema de corrupção, seria para comprar políticos, que enfiavam a mão na propina e de quebra pagavam milhões para comprar até vaga de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado, que tem como missão fiscalizar a aplicação correta do dinheiro público. As quadrilhas montadas no estado, não roubavam apenas, elas debochavam na cara da sociedade.

Taques e Wellington tentarão levar eleição para segundo turno

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 18/09/2018

Os rumos da campanha política em Mato Grosso preocupam a Justiça Eleitoral. Um procurador do Ministério Público Federal num parecer sobre uma representação da coligação de Mauro Mendes, que pedia um direito de resposta contra o adversário Pedro Taques, a afirmação que foi feita é que o que se tem visto são trocas de acusações entre os concorrentes ao Palácio Paiaguás. Para o procurador eleitoral, o objetivo da propaganda política vem sendo desvirtuados pelos candidatos. E isso vale pra todos eles, principalmente aqueles que estão representando as três maiores coligações. E quem ataca, não gosta de ser atacado, independente se a crítica procede ou não. Os advogados sempre procuram encontrar um caminho para defender o cliente e rebater o adversário, desqualificando a critica.

E a tendência nesta reta final de campanha, é que essa prática se intensifique. De um lado o candidato Mauro Mendes vai fazer tudo o que for possível para tentar liquidar a fatura no primeiro turno, no dia sete de outubro. Pra isso, Pedro Taques e Wellington Fagundes não podem crescer nas pesquisas de intenção de voto. De outro lado, Wellington e Taques, vão tentar fazer exatamente o contrário. Precisam tirar votos de Mauro Mendes, provocando o segundo turno.

Se isso acabar ocorrendo, teremos uma campanha, que é quase toda bancada com dinheiro público, dos fundos partidário e  eleitoral, muito mais cara e com certeza bem mais raivosa.  E aí a Justiça Eleitoral vai ter muito mais trabalho do que teve até aqui. E é por isso que todo mundo anda ansioso para ver o que os institutos mais confiáveis vão revelar nas próximas pesquisas de opinião, já que poderão mostrar se a tendência do eleitor será decidir tudo agora ou reservar fortes emoções para o segundo turno.

Metade dos brasileiros não tem interesse no horário eleitoral

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 17/09/2018

Quase metade dos brasileiros não tem interesse no horário da propaganda política na televisão. O levantamento feito pelo instituto de pesquisa Data Folha, mostra que dezoito por cento tem muito interesse e para trinta e dois por cento o interesse é muito pequeno. Trinta seis por cento entendem que o horário político é importante para decidir quem seria o melhor candidato. Para outros trinta e cinco por cento, a propaganda na TV não tem importância nenhuma no momento de decidir o voto. A pesquisa mostra também que o horário político tem maior poder de influência entre os eleitores com grau mais baixo de escolaridade, de menor renda e que estão nas regiões norte e nordeste do país.

Os eleitores cobram dos candidatos a apresentação de propostas mais completas e um detalhamento do plano de governo. Querem saber o que cada um pretende fazer se for eleito e como isso seria feito, de onde iriam tirar o dinheiro para cumprir as promessas. Mas isso não é muito fácil de ver no horário eleitoral.

As propostas apresentadas costumam ser muito genéricas sem explicar com mais detalhes qual o tipo de ação para áreas essenciais como educação, segurança e saúde. Os programas quase sempre adotam linhas mais críticas e também de ataques aos adversários. E essa seria uma das razões que a propaganda não exerce uma atração maior sobre os eleitores. Só que nesta eleição de 2018, as redes sociais na internet estão tendo um poder muito  maior de influência do que nas disputas anteriores. É lá que acontece o debate mais acalorado desta campanha eleitoral.

Tribunal de Contas proíbe governo de gastar o que não poderá pagar

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 13/09/2018

O Tribunal de Contas está proibindo o Governo do Estado de criar novas dívidas, que não possam ser pagas até o final deste ano. A decisão é do conselheiro interino do TCE, Isaias Lopes da Cunha e até já foi publicada no diário oficial. Este julgamento responde a uma representaria da secretaria de controle externo de receita do próprio tribunal, sobre o famoso decreto de parcelamento de dívidas de fornecedores, em onze vezes, sem correção, em valores que ultrapassam os quinhentos milhões de reais. Aquilo que por acaso ficar para ser pago em 2019, obrigatoriamente terá que estar disponível no caixa do governo.

O relator das contas de governo do Tribunal lembra que o parcelamento das dívidas não suprime os direitos líquidos e certos dos credores, que tem o poder de decidir se aceitam parcelar os débitos ou se desejam que o total da dívida seja paga numa única vez, pelo valor total.  O relatório do TCE traz também um outro dado, que é muito preocupante, quase assustador. Os restos a pagar com os fornecedores são superiores a dois bilhões e duzentos milhões de reais. E o detalhe é que não existe disponibilidade financeira para quitar todas estas dívidas. Estes números revelam a situação gravíssima das contas públicas. Seria quase um colapso financeiro, porque ainda existem muitas outras pendências que continuam em aberto.

Em relação aos repasses aos municípios na área de saúde, seriam mais de cento e trinta milhões de reais, sem falar nos atrasados do transporte escolar. E ainda tem uma dívida altíssima dos repasses aos poderes, que passaria dos 500 milhões de reais. Isso ajuda a explicar porque os salários dos servidores só tem sido pagos no dia dez do mês seguinte, provavelmente com antecipação de receita. E pra complicar tudo isso o ano é eleitoral e a velha máxima é a de que na política o feio mesmo é perder.

Nova pesquisa revela o vergonhoso transporte coletivo de Cuiabá

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 12/09/2018

O transporte coletivo em Cuiabá continua sendo uma grande humilhação para os passageiros. Sessenta por cento dos usuários rejeitam o serviço, que é de péssima qualidade. Os dados são de uma pesquisa da Agência Municipal de Serviços Públicos Delegados, a Arsec. Entre as maiores reclamações, estão a falta de estrutura nos pontos de ônibus, falta de ar condicionado nos veículos e é claro, a superlotação que ocorre ,inclusive fora dos horários de pico.

De acordo com a pesquisa, quase noventa por cento dos pontos de parada, estão em condições ruins ou péssimas de conservação. As empresas que operam o sistema é que são responsáveis por isso. Não fazem o que deveriam fazer e esta obrigação está inclusive no contrato que elas assinaram com a Prefeitura. O problema é que elas não são fiscalizadas como deveriam ser. É o poder público que não cumpre com a sua obrigação, virando as costas para a sociedade.

A renovação da frota é outro problemas que não resolve nunca. Os usuários muitas vezes são obrigados a andar em ônibus que estão caindo aos pedaços, velhos demais para atender quem precisa do transporte público. A licitação para contratar novas empresas é outra novela sem fim. Já foram feitas inúmeras promessas nesta e em outras administrações,  mas nenhuma delas foi cumprida. Sempre arrumam motivos para empurrar o assunto com a barriga. Todos sabem o que precisa ser feito para melhorar o serviço, mas quem tem o poder de agir, de fiscalizar, de cobrar, não toma nenhuma decisão. Entra prefeito, sai prefeito e continua tudo do mesmo jeito. Quem paga a conta que é bem salgada é o usuário, sendo humilhado dia após dia. e o que sempre se ouve é que a prefeitura por alguma razão não quer mexer de jeito nenhum nesta verdadeira caixa preta que é o transporte coletivo de Cuiabá.

Governo enfrenta problemas de novo para pagar os servidores

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 11/09/2018

Em plena campanha eleitoral, o Governo do Estado continua enfrentando problemas no pagamento da dos servidores públicos. A quitação da folha do mês de agosto, vencida no último dia trinta, estava prevista para ontem, mas nem todo mundo conseguiu receber. De acordo com informações de algumas categorias, funcionários que recebem acima de 5 mil reais, deverão ter o salário creditado na conta apenas nesta terça feira. Nas redes sociais, muita gente estava reclamando pelo fato do calendário estabelecido pelo próprio governo, de pagar até o dia dez, não estar sendo cumprido. Oficialmente, os mais de cem mil servidores, os aposentados e os pensionistas, deveriam ter recebido nesta segunda-feira. Mas existiriam pagamentos que estão programados para hoje, dia onze e também para amanhã, dia 12.

As dificuldades começaram no segundo semestre de 2016 e em várias oportunidades, os pagamentos chegaram a ser escalonados. E este é um tema que tem sido utilizado com frequência pelos adversários de Pedro Taques nesta campanha eleitoral. Dizendo que salário é uma obrigação que precisa ser tratada com prioridade, defendem que o atraso no pagamento é algo inaceitável.

E a situação deve ficar ainda mais difícil nos próximos meses. Isto porque estavam tentando parcelar dívidas com fornecedores que superam 500 milhões de reais, mas os deputados estaduais não concordaram e já derrubaram o decreto do governo. A impressão que se tem é de um desequilíbrio muito grande nas contas públicas, onde sempre está faltando dinheiro. Para alguns economistas, jogar o pagamento de salários para o dia dez ao invés de pagar no dia trinta, é mais ou  menos como vender o jantar pra pagar o almoço.

Bezerra e Valtenir recebem 3 milhões do MDB para a campanha

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 10/09/2018

O dinheiro público bancando as campanhas eleitorais em Mato Grosso. Os recursos são do fundo eleitoral, aquela vergonha que foi aprovada pelo Congresso Nacional, num valor de quase um bilhão e 800 milhões de reais, já está despejando recursos milionários nas campanhas dos candidatos aqui no Estado. São valores altíssimos para que os políticos gastem para bancar a propaganda eleitoral. É o contribuinte que paga uma montanha de impostos que está financiando tudo isso.

Dois candidatos do MDB de Mato Grosso, receberam juntos três milhões de reais.  Um milhão e meio para o deputado Valtenir Pereria e outro um milhão e quinhentos mil para o deputado Carlos Bezerra, os dois candidatos a reeleição para a Câmara Federal. Os demais candidatos ao mesmo cargo não receberam nenhum centavo. Carlos Bezerra é o eterno presidente do MDB, que nesta eleição está coligado com o Democratas, de Mauro Mendes, que também já recebeu recursos desse fundo repassados pela direção nacional do partido.

No caso de Valtenir Pereira, a informação interessante é a de que ele, apesar de não ter nenhuma doação de pessoa física, já teria doado o valor de cem mil reais para outro candidato a deputado federal, Neri Geller, que é do Partido Progressista, que faz parte de outra coligação, a que tem Wellinton Fagundes como candidato ao governo. Parece que nesse ano é tudo junto e misturado.

Juarez Costa, ex-prefeito de Sinop, que é outro candidato forte do partido de Bezerra a Câmara Federal, não recebeu nada. As mulheres que são candidatas pelo MDB ainda não viram a cor do dinheiro. O fato é que esse fundo eleitoral foi montado para isso mesmo. Para bancar as campanhas dos donos e dos coronéis da política, e depois de eleitos, com o dinheiro público, vão defender apenas os próprios interesses, virando as costas para a sociedade.

Taques se desculpa com servidores e Mauro nega sociedade com Silval

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 07/09/2018

O que era esperado, já está acontecendo. Os candidatos ao Governo do Estado deram início aos ataques mais duros contra os adversários. Mauro Mendes está usando as redes sociais para desmentir que tenha sido sócio de Silval Barbosa. Ele afirmou que essas afirmações são descaradas e deslavadas e que refletem o desespero dos seus concorrentes, pelo fato de estar sendo apontado como líder nas pesquisas eleitorais.

Na delação de Silval Barbosa, chegou a ser divulgado que o ex-governador e o ex-prefeito foram sócios numa fazenda onde funcionaria um garimpo de outo, Mauro garante que sempre foi adversário de Silval Barbosa e que esta suposta sociedade é uma grande mentira.

Já Pedro Taques tenta se explicar aos servidores estaduais e por incrível que pareça reconhece que errou quando se confrontou com o funcionalismo público por causa do pagamento da RGA, a Revisão Geral Anual dos salários. O fato é que as grandes dificuldades que o governador enfrenta na sua candidatura a reeleição, tem muito a ver com o estilo Pedro Taques, a forma dele se relacionar com os funcionários e também com a classe política. A crítica mais ouvida é que incorporava um misto de arrogância e prepotência e que seria pouco diplomático nas suas relações. Especialistas entendem que esse foi o seu pecado original, que acabou desencadeando todos os outros problemas que enfrenta hoje. E isso segundo os analistas, ajudaria a explicar os índices altíssimos de rejeição.

Deputados querem derrubar decreto batizado de “mau pagador”

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 05/09/2018

O decreto do governo, que parcela em onze vezes dívidas com fornecedores superiores a quinhentos milhões de reais, deve ser derrubado na Assembleia Legislativa. Um projeto nesse sentido já foi apresentado, com assinatura de treze deputados e já está em análise pela Comissão de Constituição e Justiça e dentro de dez dias no máximo, deverá ir a plenário para votação. A expectativa que existe é que o decreto deve ser derrubado.

Os deputados que são oposição dizem que a medida seria uma espécie de calote financeiro e que na prática pretende deixar essa conta para ser paga por um próximo governo. O decreto, que já foi batizado de mau pagador, não prevê nenhum tipo de correção para quem aceitar fazer o parcelamento do que o Estado está devendo. O presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho, reclama inclusive, que numa conversa com o secretário de Fazenda, Rogério Gallo não conseguiu dar garantias sólidas sobre o pagamento, mesmo que ele fosse parcelado, sem nenhuma correção.

O que se especula é que o decreto seria necessário, para que no final do ano, o estado não tenha dificuldades de honrar os salários dos servidores públicos, isso por causa do desequilíbrio nas contas públicas. O que está se arrecadando continua não sendo suficiente para fazer frente a todas as despesas e mensalmente as contas estariam fechando no vermelho em cem milhões de reais. O governador Pedro Taques disse que foi feito um plano de negociação com os fornecedores para que eles possam receber o que é devido. Mas pelo jeito, a oposição não está convencida, já que decidiu derrubar o decreto do governo.

Governo insinua que operação do Gaeco seria eleitoreira

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 04/09/2018

Blairo Maggi já chama Mauro Mendes de futuro governador

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 03/09/2018

Candidatos ao Senado ignoram as coligações para tentar se eleger

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 31/08/2018

Nas três principais coligações que estão na disputa das eleições deste ano, cada uma delas tem dois candidatos ao Senado. Seria uma espécie de dobradinha para esse cargo, mas na prática não é bem assim. Basta olhar o que está na imprensa e também observar a campanha nas ruas. Cada candidato ao Senado, está preocupado mesmo é com a sua eleição, sem se preocupar em ter um compromisso com o companheiro de chapa. Pelo lado de Wellington Fagundes, do PR, tem o deputado Adilton Sachetti e a ex-reitora da UFMT, Maria Lúcia Cavalli Neder. Ela que é do PC do B, o partido comunista do Brasil e defensora do PT e ele, muito ligado ao agronegócio.

Portanto, dois perfis bem diferentes. Aliás, Adilton Sachetti, só está nessa coligação para acomodar a sua candidatura, já que preferia estar junto com o Democratas, na chapa de Mauro Mendes ao governo, a história se repete com os candidatos ao senado, Jayme Campos e Carlos Fávaro. Esses dois só estarão próximos quando não tiver outro jeito. Cada um estará cuidando da própria campanha.

Um dos motivos é que o Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já anunciou que o candidato dele ao senado é o deputado Sachetti e Terezinha Maggi, esposa de Blairo, também já pediu voto para Carlos Fávaro, que foi vice-governador de Pedro Taques. A dobradinha que Jayme Campos vai fazer mesmo é com Mauro Mendes, que é o candidato. Mas onde a coisa é mais escancarada é na chapa de Pedro Taques. Lá, não tem acordo mesmo entre os dois candidatos ao Senado, Nilson Leitão e Selma Arruda. O bate boca dos dois é público e é cada um para o seu lado. Nem o horário de TV eles conseguiram dividir. Até já disseram que não precisa que a chapa seja fechada nessa eleição. Na verdade, a única coisa que fechou no grupo do PSDB foi o tempo. É a aliança da discórdia.

Janaina Riva quer impeachment de Taques pela denuncia de Caixa 2

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 29/08/2018

A Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso está pedindo a quebra de sigilo das delações do empresário, Alan Maluf e do ex-secretário de Educação, Permínio Pinto, que foram homologadas pelo ministro Marco Aurélio de Mello, do Supremo Tribunal Federal. O presidente da OAB, Leonardo Campos destaca que a sociedade merece saber o que aconteceu, porque são denúncias graves que atingem vários agentes públicos.

As duas colaborações premiadas tem revelações sobre a utilização de mais de dez milhões de caixa dois na campanha de Pedro Taques em 2014. O mesmo pedido está sendo feito na Assembleia Legislativa pela deputada, Janaína Riva, que lidera a oposição contra o atual governo. Para a parlamentar do MDB, o governador diante das acusações que foram feitas a ele, teria perdido as condições para continuar exercendo o mandato. A deputada lembra que o ex-secretário Perminio Pinto, afirmou que Pedro taques tinha conhecimento do esquema de corrupção na Seduc, que foi desvendado pela Operação Rêmora, do Ministério Público. Janaína Riva diz que a Assembleia Legislativa não pode ficar de braços cruzados pela gravidade do que foi denunciado.

E sobrou também para o deputado Wilson Santos, do PSDB, que havia dito que renunciaria ao mandato se acabasse ficando comprovado o caixa dois na campanha de Taques em 2014. O parlamentar tucano insiste em dizer que não acredita que o governador esteja envolvido no esquema de desvio de dinheiro público, para pagar dívidas da eleição passada. Janaína Riva diz que como Wilson Santos sempre muda o discurso de acordo com as conveniências dele, tem certeza de que ele não irá cumprir o que havia prometido, de renunciar ao mandato.

O fato é que seria bom mesmo que fosse quebrado o sigilo das delações. Os acusados poderiam se defender e a sociedade ficaria sabendo, se for o caso, de muita sujeira que rola nos bastidores do poder.

Eleição da Câmara teve sim ingerência do Palácio Alencastro.

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 28/08/2018

A Câmara Municipal de Cuiabá, terá um novo presidente, que toma posse no início de 2019. Sai o vereador Justino Malheiros e entra Misael Galvão, que foi eleito por 23 dos 25 vereadores. Os vereadores Felipe Wellaton e Diego Guimarães foram os únicos que não votaram. Os integrantes da nova mesa diretora são todos da base de apoio do prefeito Emanuel Pinheiro, mas o futuro presidente negou qualquer interferência do Palácio Alencastro. Apesar da negativa, o primeiro vice-presidente é o vereador Vinicius Hugueney, que era secretario municipal e o segundo vice-presidente, é o vereador Adevair Cabral, que é o relator da CPI do Paletó, que se envolveu em muita polêmica pela defesa intransigente que sempre fez do prefeito, sendo acusado por várias vezes de querer acabar com aquela investigação, que foi motivada pelas denúncias do ex-governador Silval Barbosa, sobre um mensalão de seiscentos mil reais que era pago aos deputados na gestão anterior, com cenas deprimentes de parlamentares recebendo dinheiro vivo, sendo que a maior  suspeita é que tudo era propina.

Agora é esperar para saber como será a postura da nova mesa diretora da Câmara de Cuiabá, que foi eleita inclusive com os votos de vereadores que fazem oposição ao prefeito. A instituição tem um desgaste enorme junto a sociedade porque não se sente representada por aqueles que elegeu. O problema é que uma boa parte dos vereadores se preocupa apenas em  defender seus  interesses pessoais, sem dar muita atenção aos problemas da cidade. Resgatar a imagem da Câmara deveria ser a principal missão dos novos dirigentes, mas é difícil acreditar nisso, porque o corporativismo acaba falando mais alto. É uma pena, porque dessa forma não conseguirão se livrar de algo que é muito incômodo, aquele apelido que fala de horrores na casa que deveria estar fiscalizando o poder executivo, para não ser confundida com um puxadinho da Prefeitura.

Ex-secretário envolve Taques e Leitão de novo no escândalo da Seduc

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 27/08/2018

Depois da delação do empresário Alan Maluf, revelando que mais de dez milhões entraram pelo caixa dois na campanha de 2014, do governador Pedro Taques, uma outra colaboração premiada já teria sido homologada pelo Supremo Tribunal Federal. O delator agora é o ex-secretário de Educação do Estado, Permínio Pinto. Ele chegou a ficar preso durante cinco meses, na segunda fase da Operação Rêmora, por conta do escândalo de propina e fraudes em licitações com preços combinados entre várias empreiteiras. As denúncias do ex-secretário também são gravíssimas. Ele revelou a Justiça um grande esquema de corrupção, que teria sido montado para recuperar recursos que foram investidos na campanha de 2014 do atual governador, reforçando o que já havia sido dito pelo empresário Alan Maluf.

O acordo de delação foi firmado com a Procuradoria Geral da República e aceito pelo ministro Marco Aurélio, do Supremo, Permínio Pinto faz acusações contra o ex-secretário de Fazenda, Paulo Brustolin e também envolveu o ex-secretário de gestão e da Casa Civil, Júlio Modesto. Também foi citado o deputado federal Nilson Leitão, que é candidato ao senado na chapa de Pedro Taques.

A delação do ex-secretário ainda está sendo mantida sob sigilo, e parte dela já enviada ao STJ, o Superior Tribunal de Justiça, pelo fato do governador ser beneficiado com o foro privilegiado, em função do cargo que ocupa. Permínio Pinto teria sido indicado para a Secretaria Estadual de Educação pelo deputado Nilson Leitão.

E a confusão na chapa de Pedro Taques continua grande. Além das delações, a candidata ao senado, Selma Arruda, da mesma coligação pode entrar na justiça, por causa do tempo no horário da propaganda eleitoral é que não querem ceder a juíza o mesmo tempo do companheiro dela de chapa, o deputado Nilson Leitão. E para Selma Arruda, um outro problema. Explicar aos eleitores as denúncias gravíssimas que envolvem seus dois principais aliados.

Mauro diz que Taques está se “afogando”, mas nega defender Silval

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 24/08/2018

O governo nega que seja um calote no parcelamento das dívidas com fornecedores, em até onze vezes e sem nenhuma correção. A garantia é do secretário-chefe da Casa Civil, Ciro Gonçalves, afirmando que até trinta e um de dezembro, todos os compromissos serão honrados. O que não dá para entender muito bem é que faltam menos de cinco meses para terminar 2018 e as dívidas superiores a quinhentos milhões foram parceladas em onze vezes. A conta não está fechando. O secretário também informa que o parcelamento é opcional.

A dúvida que fica é que se o fornecedor não concordar com a proposta, vai conseguir receber o que estão lhe devendo. Este é só mais um sintoma da crise financeira  que tomou conta do governo de mato grosso, apesar do aumento que  se verifica na arrecadação de impostos. Nos primeiros seis meses deste ano, a receita do ICMS cresceu mais de doze por cento, de acordo com fontes oficiais. E este é o principal tema que envolve a troca de farpas entre os candidatos Mauro Mendes e Pedro Taques. O governador critica o ex-prefeito de Cuiabá, dizendo que o Democrata chega até a defender a gestão do  ex-governador Silval Barbosa.

Mauro Mendes diz que não faz a defesa de ninguém, mas que as verdades precisam ser ditas. Na resposta a Taques, cita que o programa de pavimentação do atual governo, o pró-estradas, só mudou de nome e foi herdado da gestão de Silval Barbosa, que tinha o nome de MT Integrado. Mauro Mendes diz que a roubalheira no governo anterior foi grande e que a justiça soube disso pela delação do ex-governador, mas quem arrumou o dinheiro e licitou as obras, não foi Pedro Taques. Para o Democrata, o atual governador segundo Mauro Mendes, está só tentando se agarrar em alguma coisa pra não morrer afogado. E a briga vai continuar, até que um consiga afundar o outro.

Politicagem. Querem acabar com a autonomia financeira da Unemat

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 23/08/2018

Os políticos não resolvem os problemas que existem e que não são poucos e agora querem mexer com aquilo que está funcionando bem. Na Assembleia Legislativa, um projeto de emenda a constituição estadual, pretende acabar com a  autonomia da Unemat, a Universidade Estadual de Mato Grosso. Doze deputados haviam assinado a proposta, mas dois deles retiraram suas assinaturas. No orçamento do Estado, está garantido o repasse anual de dois e meio por cento da receita real de Mato Grosso.

O projeto, que é um verdadeiro absurdo, algo totalmente sem propósito, quer retirar da constituição estadual a emenda que garante o repasse desses recursos. É graças a essa autonomia financeira que a Unemat tem um papel de destaque no ensino superior, possibilitando o acesso a universidade principalmente daqueles estudantes, filhos de trabalhadores, pessoas com poucos recursos, que não tem condições de pagar mensalidades altíssimas para fazer um curso numa faculdade particular.

A Unemat hoje está presente em praticamente todas as regiões de Mato Grosso, facilitando a vida de milhares de famílias, porque os jovens podem estudar na mesma cidade em que moram, sem precisar se deslocar para centros maiores. A Unemat possui uma qualidade de ensino invejável e professores altamente capacitados, exatamente por causa da autonomia financeira que ela possui. E consegue isso sendo uma escola pública, com mais de vinte e três mil alunos matriculados nos seus cursos. E universidade estadual por promover o conhecimento consegue também fixar o jovem onde ele vive, aplicando aquilo que aprendeu em benefício de toda a besteira que estão tentando fazer. Retirar a autonomia financeira é cassar a liberdade que a Unemat tem hoje, para deixá-la refém de quem só quer fazer politicagem. É um golpe baixo demais, contra uma juventude que sonha com um futuro melhor.

Denuncias contra Taques e Leitão prejudicam Selma Arruda?

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 22/08/2018

Continua repercutindo bastante a notícia da homologação da delação do empresário Alan Maluf, envolvendo Pedro Taques e o deputado federal Nilson Leitão. O governador questiona se a delação ocorreu mesmo de fato, mas diz que está absolutamente tranquilo e que se ela for confirmada, seria bom para definir quem fez a coisa errada e quem não fez. A denúncia é a de que entraram dez milhões de reais de caixa dois na campanha de taques em 2014 e também relata o escândalo de corrupção na secretaria de educação do Estado, onde foi envolvido o deputado Nilson Leitão, que é candidato ao senado pela chapa do PSDB.

A juíza aposentada Selma Arruda, candidata ao senado pelo mesmo grupo, em nota a imprensa, afirmou que não tem vinculação com o assunto da delação de Alan Maluf, porque determinou a prisão do empresário num outro processo. Disse que cumpriu a parte dela, como juíza de primeiro grau. Selma Arruda ainda informou que acatou um pedido do Gaeco, o Grupo de Combate ao Crime Organizado e autorizou que as provas fossem compartilhadas com o Ministério Público Federal, que teria competência para investigar o caso.

Mas o tema com certeza deverá ser muito explorado nesta campanha eleitoral, porque as revelações do empresário são muito graves. Os adversários da juíza deverão lembrar as declarações que foram feitas antes dela entrar na disputa, de que não pretendia se aliar com políticos que fossem investigados ou delatados na Justiça.

Neste caso da delação, são denúncias que serão apuradas e ninguém pelo menos por enquanto, pode ser considerado culpado. A candidata explicou que fez a coisa certa enquanto era magistrada. Mas agora a cobrança será no campo político envolvendo a aliança eleitoral.

Delação de Alan Maluf complica Pedro Taques e Nilson Leitão

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 21/08/2018

Partidos podem recorrer ao TRE para tornar Selma inelegível

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 20/08/2018

A candidata ao senado, Selma Arruda, que enfrenta problemas internos dentro da coligação com o PSDB poderá também ter dificuldades com o Tribunal Regional Eleitoral. Alguns partidos pretendem questionar a candidatura da juíza aposentada. Esta aposentadoria teria sido ilegal, o que poderia deixar Selma Arruda inelegível. O que está sendo questionado, é que pelo fato da juíza responder a uma sindicância em andamento com acusações contra a conduta da magistrada. Que pode vir a se transformar numa sindicância. Se isso ocorrer, no entendimento desses partidos a candidata poderia ficar inelegível. Já existe inclusive um caso semelhante no Conselho Nacional de Justiça, que negou aposentadoria a um desembargador de São Paulo, por estar respondendo a um processo administrativo disciplinar.

Um outro questionamento é que a candidata não poderia usar o título de juíza, para disputar a eleição ao senado, porque isso contraria o diz a lei orgânica da magistratura nacional. Selma Arruda ganhou notoriedade como juíza ao colocar na cadeia muitos políticos acusados de roubar o dinheiro público, em casos escandalosos de corrupção. E isso agora começou a ser explorado também pelos adversários dela nesta disputa eleitoral.

Eles estão lembrando que a juíza mandou prender o ex-secretário de educação do atual governo, Permínio Pinto, por suspeita de fraudes e propina na Seduc. Selma Arruda ainda decretou a prisão do empresário Alan Maluf, que estaria fechando um processo de delação premiada, onde revelaria que na campanha de Pedro Taques em 2014, teriam entrado milhões de reais pelo caixa dois. A candidata nega qualquer constrangimento ou incoerência, alegando que o governador tomou todas as providências nesses casos de corrupção. Mas o fato é que durante a campanha será cobrada para explicar o que os seus concorrentes dizem que é uma contradição.

Candidatos ao governo tem que explicar como pretendem tirar MT da crise

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 17/08/2018

O Grupo Gazeta de Comunicação dá início na próxima segunda-feira, na Rádio Vila Real FM e aqui na TV Vila Real, a primeira rodada de entrevistas com os candidatos ao Governo do Estado. De forma democrática, seguindo a nossa tradição, todos eles terão o mesmo espaço para defender as suas ideias e é claro, apresentar as propostas que pretendem colocar em prática se forem eleitos.

Também estão definidos dois debates. O primeiro no dia trinta de agosto e o segundo em 28 de setembro. Será uma grande oportunidade para que o eleitor possa avaliar melhor cada um dos concorrentes ao Palácio Paiaguás.

Por enquanto, a postura dos principais candidatos tem sido apontar os erros e as falhas dos seus adversários na disputa. Está chegando a hora para que eles possam apresentar de maneira concreta o que pretendem fazer para resolver os graves problemas que o Estado enfrenta e que não são poucos. Temos ouvido muito que a crise é enorme, que Mato Grosso estaria quebrado, que o atual governo não fez a lição de casa e que também não honrou os compromissos que foram assumidos com a população.

Quem está governando terá a chance de mostrar que as criticas não procedem. por outro lado, quem está colocando o dedo na ferida, terá que dizer qual é o caminho para corrigir aquilo que está errado.

O escandaloso VLT agora é simbolo nacional de obra fantasma

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 16/08/2018

O escândalo do empacado VLT, continua sendo uma vergonha tanto para Cuiabá e Várzea Grande como também para Mato Grosso. Numa reportagem do Jornal Folha de São Paulo, o veículo leve sobre trilhos, foi citado como símbolo nacional de obra fantasma, destacando que os canteiros agora serão cobertos por grama. Mais de quatro anos depois da promessa de conclusão da obra, que era para a copa do mundo de 2014, tudo continua parado, sem nenhuma solução.

Não custa lembrar que já foi gasto mais de um bilhão de reais com o vergonhoso trenzinho elétrico. A prefeitura tenta se explicar e informa que decidiu plantar grama por onde passaria o VLT, alegando que o projeto não avançou em nada nos últimos anos. E será difícil avançar, porque a briga agora vai continuar na Justiça. O Governo do Estado, que havia prometido concluir a obra, rompeu o contrato com o consórcio e anunciou uma nova licitação. Só que está tudo parado, porque virou uma batalha jurídica.

Na realidade, as autoridades estaduais não deram conta de decidir o que pretendem fazer. Estão batendo cabeça há quase quatro anos. é preciso registrar ainda que o VLT se transformou num caso de polícia, com denúncias de corrupção e onde rolou muita propina. A última informação é a de que até o final do mês pretendem encontrar um caminho e que não existe um plano b, não pensam em desistir da obra, que não sai do lugar.

Na última campanha, prometeram que não iriam jogar a sujeira embaixo dos trilhos. Mas nem isso será mais possível. É que os trilhos desta obra que seria um exemplo de modernidade, estão enferrujados. Mas as promessas continuam. No plano de governo de Pedro Taques, candidato a reeleição, diz que o veículo leve sobre trilhos será finalizado. Só não se sabe quando. O resumo de tudo é que o VLT começou pela estação da roubalheira, avançou na linha da incompetência e a imagem do descaso agora será coberta pela grama. É a apoteose de um vexame nacional.

A crise no PSDB só aumenta entre Nilson Leitão e Selma Arruda

Comentário: Jornal do Meio Dia/ TV Vila Real – 15/08/2018

O mal estar não acabou e a confusão continua entres os dois candidatos ao senado na chapa do governador Pedro Taques, que é candidato a reeleição. Selma Arruda e Nilson Leitão não estão conseguindo se entender. O episódio mais recente que deixou o clima tenso na coligação, foi que a juíza curtiu numa rede social um comentário que criticava o governador. A referida publicação foi feita pela mais ferrenha opositora de Pedro Taques na Assembleia Legislativa, a deputada estadual Janaína Riva.

A parlamentar criticou o plano de governo que foi apresentado pelo governador no registro da candidatura no Tribunal Regional Eleitoral. Janaína afirmou que o jovem e o incentivo ao esporte são desprezados pelo atual governo.  A juíza Selma nega o desentendimento e que a curtida na rede social, teria sido involuntária ou pela ação de um hacker. Mas nos bastidores circula também uma outra informação. Selma Arruda estaria muito contrariada e irritada, por conta de uma articulação para prejudicá-la, beneficiando um outro candidato ao senado, o procurador Mauro, do PSOL. E tudo isso seria uma estratégia, uma espécie de fogo amigo, para favorecer o companheiro de chapa dela, o deputado federal Nilson Leitão.

Não custa lembrar que esta não é a primeira crise envolvendo os candidatos do grupo do PSDB. Já teve uma confusão danada, por causa de uma publicação de Selma Arruda, também nas redes sociais, onde ela falava aos eleitores sobre uma notícia boa, dizendo que ninguém tinha necessidade de votar numa chapa fechada. E o resultado é que acabou praticamente sendo obrigada a fazer um vídeo destacando a importância de votar em Pedro Taques e Nilson Leitão, seus companheiros de chapa.

Sobre este episódio com a publicação de Janaína Riva criticando Pedro Taques, a juíza aposentada diz que tudo não passa de intriga eleitoral. Mas parece que Nilson Leitão ainda continua intrigado com Selma Arruda, por causa daquela história de não votar em chapa fechada. Mas o tempo é que fechou no PSDB e o clima continua pesado entre aliados que se comportam como se fossem adversários. E nessa briga pelo voto, quem puder mais, vai chorar menos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *